Número total de visualizações de página

sábado, 21 de março de 2015

Os 10 melhores vinhos por menos de 10 euros

 Estes foram os eleitos mas, lembram os peritos, há sempre mais por onde escolher.
Vinho Tinto José de Sousa
Região: Alentejo
Preço: 7,50/8 euros
Castas: Grand Noir, Trincadeira, Aragonez
Porque é que é bom: “O tinto tem as características que o identificam com a zona quente da planície: os tons aromáticos de fruta madura, as notas de couro e as sugestões vegetais secas, tudo aquilo que o torna apetecível à mesa”, diz João Paulo Martins. Não é para grande guarda, mas sim para dar prazer a partir do momento em que chega à boca.

Região: Dão
Preço: 7 euros
Castas: Touriga Nacional, Alfrocheiro, Tinta Roriz
Porque é que é bom: Diz João Paulo Martins que o Dão produz os vinhos mais elegantes do país, embora haja exceções tanto para o bem como para o mal. Na região marcam presença vinhos elegantes, “sempre com boa acidez”. A sugestão em causa não foge à regra: “Este tinto é sempre uma boa aposta porque tem mantido uma consistência de qualidade muito interessante”, diz. Além de ter uma vocação gastronómica, “é um sucesso garantido”.

Região: Lisboa
Preço: 8 euros
Castas: Touriga Nacional e Aragonez
Porque é que é bom: Aspeto límpido, cor intensa e com lágrima presente. À partida é assim que o presidente da Associação dos Escanções de Portugal descreve o vinho proveniente da região vitivinícola de Lisboa. Ao nariz de um provador chegam aromas jovens e frutados, além de “evidentes” notas florais. Os taninos também são percetíveis e a adstringência não é muito intensa. Destaca-se um corpo médio e um final persistente. Feita a ficha técnica, Tristão aconselha que o vinho seja bebido a uma temperatura de 16/18º C.

Região: Tejo
Preço: 8/10 euros
Castas: Syrah
Porque é que é bom: Rodolfo Tristão conta-nos que a Syrah foi plantada pela primeira vez no Ribatejo, daí que este seja um dos terroirs de eleição da casta. O vinho em questão é intenso de aromas e volumoso no sabor, assegura o escanção. O aspeto é opaco, a cor muito densa e — à semelhança do outro vinho por ele recomendado — tem lágrima presente. Notam-se ainda aromas frutados e a presença evidente do cacau. “Para quem não conhece a região, o vinho é um ótimo cartão-de-visita da qualidade da zona.”

Nome do vinho: Quinta da Mimosa 2012, Ermelinda Freitas

Região: Palmela
Preço: 8,70 euros
Castas: Castelão e Periquita
Porque é que é bom: O vinho é proveniente de vinhas velhas de Castelão, com cerca de 50 anos, e é tido como um dos “grandes vinhos da região com um preço verdadeiramente brilhante”. É o escanção Manuel Moreira quem o diz e que fala numa “cor imensamente concentrada” e num “aroma muito cheio”. Moreira contempla ainda uma “enorme estrutura na boca, taninos de belo calibre e profundidade notável”. O vinho apresenta qualidade quando jovem, apesar de ter um potencial de guarda significativo.

Região: Dão
Preço: 7,40 euros
Castas: Touriga Nacional
Porque é que é bom: Feito 100% com Touriga Nacional, exibe frescura, intensidade e presença de frutos silvestres frescos. “Na boca brilha a frescura, uma estrutura fina e sólida, fluida, saborosa e de comprimento assinalável”, escreve Manuel Moreira. “É um vinho de prazer, nem sempre imediato, mas que se entranha e que lentamente entra no gosto de quem procura singularidade.” O vinho tem capacidade de envelhecer nobremente.

Região: Algarve
Preço: 6,95 euros
Castas: Aragonez e Cabernet Sauvignon
Porque é que é bom: Este é um vinho que, nas palavras de Sérgio Antunes, apresenta aromas de frutos vermelhos maduros, algum vegetal e especiarias. A temperatura ideal para prová-lo ronda os 16/18º C. “Recomendo com pratos de carne de vitela e de porco, grelhada ou estufada.”

Travesso
Região: Douro
Preço: 7,50 euros
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca e Sousão
Porque é que é bom: Cor rubi, aromas complexos marcados pela fruta vermelha intensa e um leve toque de notas fumadas, escreve Sérgio Antunes. “Na boca, o vinho tem um bom ataque a fruta madura, longo e apelativo”, diz ainda. O vinho “bastante agradável e com boa estrutura de taninos” deve ser servido a uma temperatura ideal de 16º C e deverá poderá acompanhar — idealmente falando — pratos de carne vermelha.

Nome do vinho: Quinta do Vallado 2013
Quinta do Vallado Quinta do Vallado Tinto

Região: Douro
Castas: Touriga Franca, Tinta Roriz, Touriga Nacional, Sousão e vinhas velhas
Preço: 8 euros
Porque é que é bom: Para Rui Falcão, a Quinta do Vallado é “uma das quintas mais antigas e famosas do Vale do Douro” — construída em 1716, pertenceu à lendária Dona Antónia Adelaide Ferreira e mantém-se até hoje na posse dos seus descendentes. “O Quinta do Vallado [vinho] representa a segurança de comprar um vinho tinto de enorme qualidade a preços mais que comedidos. Um rótulo que oferece consistentemente vinhos muito bem feitos na proporção certa entre entusiasmo e contenção.”

Região: Alentejo
Castas: Alicante Bouschet, Aragonez e Trincadeira
Preço: 8/8,50 euros
Porque é que é bom: O vinho apresenta uma intensa cor granada e ao paladar chega uma macieza inicial, seguida de frescura em boca e persistência assente em “sólidos e sedosos taninos”, tal como se lê na página Vinhos do Alentejo. O vinho estagiou 12 meses em madeira e a maturação em garrafa levou outros seis meses.

Sem comentários:

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola