Número total de visualizações de página

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Kramer vs. Kramer.

Cavaco atira-se a ex-ministro por causa de ex-ministros

por Filipe Paiva Cardoso, Publicado em 31 de Dezembro de 2010  |
Cavaco Silva
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A história dava o início de um óptimo filme. Oliveira Costa, ex-secretário de Estado de Cavaco Silva, e Dias Loureiro, ex-ministro de Cavaco Silva, viram-se envolvidos num escândalo num banco. Um banco onde Cavaco Silva tinha acções. Ora, este ex-secretário de Estado e este ex-ministro de Cavaco Silva acabaram constituídos arguidos por causa do banco, que foi nacionalizado - e, até agora, levou com ele 5 mil milhões aos contribuintes.

Com a nacionalização, promulgada por Cavaco, este banco ficou sob alçada da Caixa Geral de Depósitos, banco liderado por Faria de Oliveira, ex-ministro de Cavaco Silva. Não só isso, mas Faria de Oliveira faz também parte da Comissão de Honra da candidatura de Cavaco. Lado a lado com Norberto Rosa, também ex-secretário de Estado de Cavaco Silva, e também hoje na CGD.

Anteontem este enredo começou a entrar em fricção. Cavaco, cansado de ser criticado ("atacado", na sua opinião) decidiu atirar a batata quente para Faria de Oliveira. Restou ao presidente da CGD passar a batata quente para o governo (ver em baixo), governo esse que já antes tinha passado a batata quente à administração da Caixa: "Compete à administração da CGD defender a sua honra", disse Silva Pereira, ministro da Presidência.

Independentemente destas voltas e de todos os "exs" de Cavaco, certo é que o ano que está aí à porta vai trazer mudanças significativas a este dossiê. Primeiro porque o executivo vai ter de dar um destino ao BPN - nem que seja deitá-lo ao lixo - e depois porque ficou claro que nem Francisco Bandeira (presidente do BPN indicado pela CGD), nem Faria de Oliveira têm condições para continuar nos respectivos cargos - o primeiro já falou ontem numa "nova e autónoma administração" para o BPN e o segundo já desde o Verão que é apontado como "de saída".

Por saber fica se o acordo PS/PSD - um gestor de cada partido no Banco de Portugal e na CGD - sobreviverá. F. P. C.

Austeridade cai amanhã....

O peso da austeridade cai amanhã sobre os portugueses

Por Sérgio Aníbal
A maior parte das medidas de contenção anunciadas durante o ano que agora acaba entram em vigor amanhã. Famílias e empresas começam o ano ?com mais impostos e menos salários e benefícios sociais


Os portugueses já ouvem falar de crise e austeridade há muito tempo, mas será só a partir de amanhã que sentirão na pele algumas das medidas mais pesadas adoptadas pelo Governo para conseguir reduzir o défice.

Subida dos impostos, redução salarial, corte nos benefícios sociais, pensões congeladas, novas taxas para as contribuições para a Segurança Social, serviços de saúde mais caros e menos meios na educação: não há empresas e famílias em Portugal que não sejam afectadas pelo menos por parte destas medidas que, depois de aprovadas pelo Governo e Parlamento, entram em vigor amanhã.

A primeira a ser sentida será, provavelmente, a subida do IVA em dois pontos percentuais. Assim que soarem as doze badaladas do ano novo, a taxa normal do IVA em vigor na maior parte dos produtos passará a ser de 23 por cento, fazendo com que os preços possam ser revistos em alta pelos comerciantes.

Outras medidas, não tão imediatas, não tardarão muito a sentir-se e de forma muito amarga para uma parte significativa da população. Os funcionários públicos que ganham mais que 1500 euros mensais vão ter um corte no seu salário que vai dos 3,5 até aos 10 por cento, uma medida nunca antes implementada em Portugal.

Os sectores mais desfavorecidos da população também não escapam, com os benefícios sociais que são concedidos a serem limitados, tanto no seu valor como na facilidade de acesso.

Na área da saúde, os utentes do Serviço Nacional de Saúde vão passar, em vários casos, a ter de pagar mais pelos serviços que lhes são prestados. Noutros casos, esses mesmos serviços são reduzidos, como a introdução de novos limites à prescrição de exames médicos, em mais uma forma encontrada pelo Governo de limitar os gastos públicos nesta área, tão decisiva para o controlo das finanças públicas. Na educação, as medidas de contenção das despesas podem também afectar o nível do serviço prestado.+AQUI

Juiz Carlos Alexandre trava destruição de parte das escutas entre Sócrates e Vara

Por António Arnaldo Mesquita e Mariana Oliveira Maioria das intercepções que envolvem o primeiro-ministro já foi eliminada. Restam poucas cópias dos telefonemas entre o líder do Governo e o ex-banqueiro e algumas SMS


Já foi destruída a maioria das escutas a comunicações entre o primeiro-ministro, José Sócrates, e o ex-vice-presidente do BCP Armando Vara, amigo pessoal do líder socialista. No entanto, um despacho do juiz Carlos Alexandre, do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, veio reacender a polémica jurídica à volta das poucas escutas que ainda estão intactas e das consequências que a sua destruição pode ter no âmbito do processo Face Oculta.

O juiz não cumpriu de imediato a última ordem de destruição dada pelo presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Noronha Nascimento, tendo possibilitado, pela primeira vez, à defesa dos 34 arguidos do caso contestar aquela decisão junto da secção criminal do Supremo.

Em causa estão cópias de parte das escutas que Noronha já mandara eliminar nos seus primeiros despachos e algumas mensagens de telemóvel trocadas entre Sócrates e Vara que só foram detectadas em finais de Novembro, quando o processo estava a ser arrumado para seguir de Aveiro para Lisboa. Essas cópias existiam porque o sistema informático duplicou registos de telefonemas e mensagens, cujo conteúdo tinha sido considerado irrelevante do ponto de vista penal pelo procurador-geral da República, Pinto Monteiro, e por Noronha Nascimento. E estão agora guardadas "em envelope fechado com fita de sigilo no cofre" do TCIC.

"Agora podemos reagir"

As consequências da destruição das escutas que envolvem Sócrates e Vara, acusado de três crimes de tráfico de influência neste processo, foram suscitadas por vários arguidos nos requerimentos de abertura de instrução, por alegada violação do direito de defesa. Alguns pedem mesmo a nulidade da acusação pelo facto de as intercepções não terem sido preservadas, tendo o arguido Paulo Penedos apresentado um parecer do penalista Paulo Pinto de Albuquerque que considerava os despachos de Noronha feridos de nulidade absoluta.

Ricardo Sá Fernandes, advogado de Paulo Penedos, acusado de um crime de tráfico de influência, garantiu ao PÚBLICO que irá recorrer para a secção criminal do Supremo do despacho de Noronha. "Finalmente, agora vamos poder reagir à destruição das escutas decretadas pelo presidente do Supremo, que poderá ter inquinado todo o processo", diz Sá Fernandes. E acrescenta: "Iremos até ao Tribunal Constitucional, se necessário for." Noronha já proferiu quatro despachos a determinar a destruição de escutas, mas só o último foi notificado aos arguidos, por decisão do juiz Carlos Alexandre, agora que o processo foi remetido para o TCIC.

Já anteriormente o Ministério Público da Comarca do Baixo Vouga sustentou a necessidade de as decisões do presidente do Supremo, enquanto juiz de instrução nas escutas em que intervinha o primeiro-ministro, serem comunicadas aos diversos arguidos, para estes poderem reagir ao despacho, nomeadamente em sede de recurso. Contudo, Noronha Nascimento considerou as suas decisões irrecorríveis e o procurador-geral da República nunca pôs em causa esta tese, o que inviabilizou que as defesas tivessem conhecimento dos despachos.

Ontem, o juiz Carlos Alexandre, que dirige a instrução do processo, determinou que fosse dado conhecimento aos arguidos do despacho de Noronha Nascimento. "Adquirimos a convicção de que todos [os suportes de registo de comunicações] ou parte deles não estavam seguramente na disponibilidade dos arguidos e dos assistentes", refere Carlos Alexandre, salientando que "temos de concluir que nenhum dos intervenientes processuais se houvera dado conta sequer da sua existência".

Carlos Alexandre considera que "não é adequado frustrar a lei" que permite aos arguidos e aos próprios assistentes o acesso aos suportes técnicos das comunicações para que possam fazer uma leitura integrada de todo o material e usá-lo em seu proveito. A defesa dos 34 arguidos do processo Face Oculta tem agora 20 dias para recorrer do despacho do presidente do STJ. O recurso só evitará a destruição das escutas, não tendo efeitos no andamento da instrução, cujas diligências arrancam na próxima terça-feira com a inquirição das primeiras testemunhas.

A questão da destruição das escutas já fora abordada pelo juiz quando declarou aberta a instrução, tendo este dado 15 dias ao Ministério Público para se pronunciar sobre a questão.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Juiz não destrói escutas polémicas

Face Oculta

Carlos Alexandre notificou os arguidos sobre as escutas
Magistrado decide que arguidos e assistentes podem intervir. Estão em causa cópias de cinco conversas e vários SMS entre Armando Vara e o primeiro-ministro. Duas das intercepções são absolutamente novas.

Ensitel está debaixo de fogo na internet

Ensitel cai no inferno das redes sociais

por Ana Rita Guerra, Publicado em 29 de Dezembro de 2010  | 
A empresa nega os factos e repudia a "campanha" movida contra si, que considera difamatória
A Ensitel está em Portugal desde 1989 e nunca se tinha confrontado
 com um problema tão sério por causa de um simples telemóvel
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A cadeia de electrónica Ensitel está debaixo de fogo na internet e enfrenta uma das piores crises de reputação de que há memória em Portugal, depois de alegadamente se ter recusado a trocar um telemóvel avariado que ainda estava dentro da garantia.

O caso recua a 2009 mas explodiu ontem nas redes sociais porque a consumidora em causa, Maria João Nogueira, recebeu uma citação do tribunal intimando-a a constituir advogado. Motivo: escreveu vários posts a contar a experiência com o telemóvel e foi contactada pelos advogados da Ensitel para que apagasse esses textos, pedido ao qual não acedeu. Agora diz que a Ensitel quer ir para tribunal e forçá-la a retirar os sete textos que explicam em pormenor a saga do Nokia E71.

O problema é que estamos na era das redes sociais e Maria João Nogueira é nada menos do que a coordenadora da equipa de blogues do Sapo, e uma das bloguistas mais conhecidas da internet nacional. Ou seja, a história tornou-se viral em poucas horas. A contenda do jonasnuts (nome do blogue de Maria João Nogueira) era o tópico mais partilhado na comunidade portuguesa no Twitter e a página da Ensitel no Facebook foi entupida de insultos. Vários sites reportaram a história e os links que apontam para o blogue de Maria João Nogueira multiplicaram-se.

Entretanto, algumas centenas de utilizadores do Facebook começaram a queixar-se de que tanto os links para o jonasnuts como os seus comentários na página da Ensitel estavam a ser apagados. A blogosfera imediatamente gritou "censura", a palavra espalhou-se rapidamente e os insultos passaram a ser às dezenas por minuto. A empresa, que sofreu um autêntico festival de enxovalho na internet, acabou por emitir um comunicado a meio da tarde de ontem.

"A Ensitel não põe minimamente em causa qualquer tipo ou forma de liberdade de expressão, mas repudia, rejeita e não aceita ser alvo de uma autêntica campanha difamatória, assente em factos absolutamente falsos que têm como único intuito denegrir a imagem e boa reputação [...] apenas porque o cliente não se conformou com uma decisão judicial que lhe foi desfavorável", escreve.

A decisão a que se refere em comunicado é a do centro de arbitragem de conflitos de consumo de Lisboa, onde o caso chegou, e que foi no sentido de que a cliente deveria entregar o aparelho à Ensitel para que fosse arranjado - o que Maria João Nogueira recusou.

"A Ensitel está a precisar de contratar uma empresa de relações públicas, mais do que uma sociedade de advogados", escreveu a bloguista na segunda-feira, depois de referir o documento de 31 páginas que recebeu do tribunal. "Portanto, a Ensitel não gosta que os clientes expressem livremente a sua opinião. A liberdade de expressão é muito linda e coiso e tal, mas só quando não chateia", escreve.

O relato Toda a história pode ser lida nos sete posts publicados desde 27 de Fevereiro de 2009, em www.jonasnuts.com. A consumidora recebeu um Nokia E71 que, no segundo dia de uso, apresentava falhas na luz do ecrã. Foi à loja para trocá-lo mas informaram-na de que não havia mais em stock, pelo que devia ir à Nokia para que lho reparassem. A marca respondeu que era responsabilidade da Ensitel trocar o aparelho - e afinal apareceu outro em stock, mas numa segunda loja encontraram "um risco no ecrã" que, segundo a consumidora, era inexistente.

Várias reclamações e quase dois anos depois, a Ensitel quer levar a consumidora a tribunal por causa dos posts no blogue e milhares de portugueses juram que nunca mais entram numa loja da marca.

Face Oculta

Face Oculta: juiz permite que acusados tenham acesso às escutas

por Inês Serra Lopes , Publicado em 30 de Dezembro de 2010  | 
Carlos Alexandre vai ouvir acusados sobre despacho do presidente do Supremo e só destrói escutas depois disso
Carlos Alexandre não vai cumprir já a ordem de destruição das 
escutas que envolvem José Sócrates
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Carlos Alexandre, juiz de instrução do caso Face Oculta, só vai destruir as escutas telefónicas que envolvem o primeiro- -ministro depois de ouvir os acusados no processo. Paulo Penedos vai requerer o acesso às escutas e vai recorrer do despacho de Noronha Nascimento, presidente do Supremo Tribunal de Justiça, que determinou a sua destruição.

O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) não vai cumprir imediatamente a ordem de destruição das escutas das conversas entre Armando Vara e José Sócrates, que recebeu do presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

Carlos Alexandre fez esta semana um longo despacho em que determina que os acusados e os assistentes sejam ouvidos sobre o despacho do presidente do STJ e esclarece que só mandará proceder à ordenada "eliminação dos produtos" das escutas depois do "trânsito" do despacho.

O advogado de Paulo Penedos ainda não foi notificado. Porém, Ricardo Sá Fernandes disse ontem ao i que pretende requerer o acesso às escutas e recorrer do despacho do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha Nascimento, do qual deverá ser notificado ainda esta semana.

Os acusados e os seus advogados dividem-se, todavia, quanto a esta matéria. Nuno Godinho de Matos, advogado de Armando Vara, disse ontem ao i que entende que as escutas devem ser destruídas e que a sua não destruição é incompreensível. "A eventual não destruição das escutas é um golpe de Estado judiciário", diz o advogado.

A posição do defensor de Paulo Penedos é bem diferente: "Pela primeira vez neste processo não fomos colocados perante um facto consumado e vamos poder reagir contra a ordem de destruição das escutas no caso Face Oculta. As escutas foram sendo paulatinamente destruídas por ordem do presidente do Supremo Tribunal de Justiça. Agora, isso não vai acontecer. O despacho repõe a legalidade na parte em que pode fazê-lo", disse ao i o advogado de Paulo Penedos.

O juiz que dirige a instrução do caso Face Oculta no TCIC conclui no seu despacho que nenhum dos arguidos do processo sabia da existência dessas escutas. "Adquirimos a convicção de que todos [os suportes de gravação dos telefonemas] ou parte deles não estavam seguramente na disponibilidade dos arguidos e dos assistentes", refere Carlos Alexandre, concluindo que "nenhum dos intervenientes processuais se houvera dado conta sequer da sua existência".

O juiz do TCIC escreve que "não é adequado frustrar a lei, quando atribui aos intervenientes processuais a possibilidade de, até ao fim do prazo, requerer o consignado no número 8 do artigo 188.o do Código do Processo Penal, sem que, do mesmo passo, se lhe diga que há elementos que só agora se detectaram e a que podem neste ínterim processual, legitimamente aceder". Ou seja, como não foi revelado aos arguidos que as escutas existiam no processo, eles não tiveram oportunidade de exercer os seus direitos de defesa. Agora ou é permitido aos acusados esse acesso ou o próprio juiz está a reconhecer mais uma nulidade, para juntar àquelas que os vários acusados já apontaram nos seus pedidos de abertura de instrução.

A conclusão de Carlos Alexandre é sustentada pelos "elementos vertidos na informação de serviço da PJ, da retirada de suportes da arrecadação do Departamento de Investigação Criminal de Aveiro (DIC), da efectuação de auto de gravação e relatório referente àqueles produtos".

O despacho de Carlos Alexandre contraria a decisão do juiz de instrução do processo da Comarca de Aveiro, que cumpriu as ordens do presidente do STJ sem ouvir os arguidos. Contudo, como se viu, vai ao encontro da posição de vários arguidos, entre eles Paulo Penedos, que sempre se manifestaram contra a destruição das escutas.

Alguns arguidos encontram neste despacho do juiz de instrução algum acolhimento para as suas teses de que o inquérito deve ser considerado nulo. Para estes acusados é óbvia a adesão de Carlos Alexandre à sua argumentação.

Reino Unido: Médicos pedem nova investigação ao alegado suicídio de David Kelly

O cientista David Kelly afirmou, antes do seu alegado suicídio, que Blair mentiu sobre o Iraque

Tony Blair sob suspeita em morte de cientista

Cinco médicos britânicos apresentaram na Procuradoria-Geral do Estado um pedido para reabertura da investigação à morte do perito em armas biológicas David Kelly, encontrado morto em 2003, em circunstâncias suspeitas, após alegado suicídio.

A reavaliação do caso poderá trazer de novo para a ribalta um dos aspectos menos claros dos anos de poder do ex-chefe do governo Tony Blair, acusado por Kelly de ter inventado provas para justificar a invasão do Iraque. O cientista, recorde-se, foi a fonte de um jornalista da BBC, que colocou em dúvida os argumentos de Blair para justificar a guerra no Iraque. Dois dias depois, Kelly apareceu morto e o jornalista foi despedido.
Um dos médicos envolvidos na petição, Michael Powers, exprimiu o desejo de que o procurador-geral, Dominic Grieve, esqueça "considerações políticas" e decida reabrir o caso apenas com base na lei.
Os autores da petição são apoiados por uma equipa legal, que afirma ter argumentos "irrefutáveis" para fundamentar nova investigação. Desde logo, porque a anterior, em 2004, consistiu num inquérito informal que deixou por esclarecer várias questões. Por exemplo, como pôde a faca usada no suicídio não ter impressões digitais de Kelly? E como foi possível um helicóptero com câmaras térmicas não detectar o corpo do cientista no bosque em que veio a ser descoberto pouco depois?
FMI
José Mário Branco
Composição: José Mário Branco 
 
Cachucho não é coisa que me traga a mim
Mais novidade do que lagostim
Nariz que reconhece o cheiro do pilim
Distingue bem o mortimor do meirim
A produtividade, ora aí está, quer dizer
Há tanto nesta terra que ainda está por fazer
Entrar por aí a dentro, analisar, e então
Do meu 'attachi-case' sai a solução!
FMI Não há graça que não faça o FMI
FMI O bombástico de plástico para si
FMI Não há força que retorça o FMI
Discreto e ordenado mas nem por isso fraco
Eis a imagem 'on the rocks' do cancro do tabaco
Enfio uma gravata em cada fato-macaco
E meto o pessoal todo no mesmo saco
A produtividade, ora aí está, quer dizer
Não ando aqui a brincar, não há tempo a perder
Batendo o pé na casa, espanador na mão
É só desinfectar em superprodução!
FMI Não há truque que não lucre ao FMI
FMI O heróico paranóico 'hara-quiri'
FMI Panegírico, pro-lírico daqui
Palavras, palavras, palavras e não só
Palavras para si e palavras para dó
A contas com o nada que swingar o sol-e-dó
Depois a criadagem lava o pé e limpa o pó
A produtividade, ora nem mais, célulazinhas cinzentas
Sempre atentas
E levas pela tromba se não te pões a pau
Num encontrão imediato do 3º grau!
FMI Não há lenha que detenha o FMI
FMI Não há ronha que envergonhe o FMI
FMI ...
Entretém-te filho, entretém-te, não desfolhes em vão este malmequer que bem-te-quer, mal-te-quer, vem-te-quer, ovomalt'e-quer, messe gigantesca, vem-te vindo, vi-me na cozinha, vi-me na casa-de-banho, vi-me no Politeama, vi-me no Águia D'ouro, vi-me em toda a parte, vem-te filho, vem-te comer ao olho, vem-te comer à mão, olha os pombinhos pneumáticos que te orgulham por esses cartazes fora, olha a Música no Coração da Indira Gandi, olha o Muchê Dyane que te traz debaixo d'olho, o respeitinho é muito lindo e nós somos um povo de respeito, né filho? Nós somos um povo de respeitinho muito lindo, saímos à rua de cravo na mão sem dar conta de que saímos à rua de cravo na mão a horas certas, né filho? Consolida filho, consolida, enfia-te a horas certas no casarão da Gabriela que o malmequer vai-te tratando do serviço nacional de saúde. Consolida filho, consolida, que o trabalhinho é muito lindo, o teu trabalhinho é muito lindo, é o mais lindo de todos, como o astro, não é filho? O cabrão do astro entra-te pela porta das traseiras, tu tens um gozo do caraças, vais dormir entretido, não é? Pois claro, ganhar forças, ganhar forças para consolidar, para ver se a gente consegue num grande esforço nacional estabilizar esta destabilização filha-da-puta, não é filho? Pois claro! Estás aí a olhar para mim, estás a ver-me dar 33 voltinhas por minuto, pagaste o teu bilhete, pagaste o teu imposto de transação e estás a pensar lá com os teus botões: Este tipo está-me a gozar, este gajo quem é que julga que é? Né filho? Pois não é verdade que tu és um herói desde de nascente? A ti não é qualquer totobola que te enfia o barrete, meu grande safadote! Meu Fernão Mendes Pinto de merda, né filho? Onde está o teu Extremo Oriente, filho? Ah-ni-qui-bé-bé, ah-ni-qui-bó-bó, tu és 'Sepuldra' tu és Adamastor, pois claro, tu sozinho consegues enrabar as Nações Unidas com passaporte de coelho, não é filho? Mal eles sabem, pois é, tu sabes o que é gozar a vida! Entretém-te filho, entretém-te! Deixa-te de políticas que a tua política é o trabalho, trabalhinho, porreirinho da Silva, e salve-se quem puder que a vida é curta e os santos não ajudam quem anda para aqui a encher pneus com este paleio de Sanzala e ritmo de pop-xula, não é filho?
A one, a two, a one two three
FMI dida didadi dadi dadi da didi
FMI ...
Come on you son of a bitch! Come on baby a ver se me comes! Come on Luís Vaz, 'amanda'-lhe com o José Cacila que os senhores já vão ver o que é meterem-se com uma nação de poetas! E zás, enfio-te o Manuel Alegre no Mário Soares, zás, enfio-te o Ary dos Santos no Álvaro de Cunhal, zás, enfio-te o Zé Fanha no Acácio Barreiros, zás, enfio-te a Natalia Correia no Sá Carneiro, zás, enfio-te o Pedro Homem de Melo no Parque Mayer e acabamos todos numa sardinhada ao integralismo Lusitano, a estender o braço, meio 'Roulant' preto, meio Steve McQueen, ok boss, tudo ok, estamos numa porreira meu, um tripe fenomenal, proibido voltar atrás, viva a liberdade, né filho? Pois, o irreversível, pois claro, o irreversívelzinho, pluralismo a dar com um pau, nada será como dantes, agora todos se chateiam de outra maneira, né filho? Ora que porra, deixa lá correr uma fila ao menos, malta pá, é assim mesmo, cada um a curtir a sua, podia ser tão porreiro, não é? Preocupações, crises políticas pá? A culpa é dos partidos pá! Esta merda dos partidos é que divide a malta pá, pois pá, é só paleio pá, o pessoal na quer é trabalhar pá! Razão tem o Jaime Neves pá! (Olha deixaste cair as chaves do carro!) Pois pá! (Que é essa orelha de preto que tens no porta-chaves?) É pá, deixa-te disso, não destabilizes pá! Eh, faz favor, mais uma bica e um pastel de nata. Uma porra pá, um autentico desastre o 25 de Abril, esta confusão pá, a malta estava sossegadinha, a bica a 15 tostões, a gasosa a sete e coroa... Tá bem, essa merda da pide pá, Tarrafais e o carágo, mas no fim de contas quem é que não colaborava, ah? Quantos bufos é que não havia nesta merda deste país, ah? Quem é que não se calava, quem é que arriscava coiro e cabelo, assim mesmo, o que se chama arriscar, ah? Meia dúzia de líricos, pá, meia dúzia de líricos que acabavam todos a fugir para o estrangeiro, pá, isto é tudo a mesma carneirada! Oh sr. guarda venha cá, á, venha ver o que isto é, é, o barulho que vai aqui, i, o neto a bater na avó, ó, deu-lhe um pontapé no cu, né filho? Tu vais conversando, conversando, que ao menos agora pode-se falar, ou já não se pode? Ou já começaste a fazer a tua revisãozinha constitucional tamanho familiar, ah? Estás desiludido com as promessas de Abril, né? As conquistas de Abril! Eram só paleio a partir do momento que tas começaram a tirar e tu ficaste quietinho, né filho? E tu fizeste como o avestruz, enfiaste a cabeça na areia, não é nada comigo, não é nada comigo, né? E os da frente que se lixem... E é por isso que a tua solução é não ver, é não ouvir, é não querer ver, é não querer entender nada, precisas de paz de consciência, não andas aqui a brincar, né filho? Precisas de ter razão, precisas de atirar as culpas para cima de alguém e atiras as culpas para os da frente, para os do 25 de Abril, para os do 28 de Setembro, para os do 11 de Março, para os do 25 de Novembro, para os do... que dia é hoje, ah?
FMI Dida didadi dadi dadi da didi
FMI ...
Não há português nenhum que não se sinta culpado de qualquer coisa, não é filho? Todos temos culpas no cartório, foi isso que te ensinaram, não é verdade? Esta merda não anda porque a malta, pá, a malta não quer que esta merda ande, tenho dito. A culpa é de todos, a culpa não é de ninguém, não é isto verdade? Quer isto dizer, há culpa de todos em geral e não há culpa de ninguém em particular! Somos todos muita bons no fundo, né? Somos todos uma nação de pecadores e de vendidos, né? Somos todos, ou anti-comunistas ou anti-faxistas, estas coisas até já nem querem dizer nada, ismos para aqui, ismos para acolá, as palavras é só bolinhas de sabão, parole parole parole e o Zé é que se lixa, cá o pintas azeite mexilhão, eu quero lá saber deste paleio vou mas é ao futebol, pronto, viva o Porto, viva o Benfica, Lourosa, Lourosa, Marraças, Marraças, fora o arbitro, gatuno, bora tudo p'ro caralho, razão tinha o Tonico de Bastos para se entreter, né filho? Entretém-te filho, com as tuas viúvas e as tuas órfãs que o teu delegado sindical vai tratando da saúde aos administradores, entretém-te, que o ministro do trabalho trata da saúde aos delegados sindicais, entretém-te filho, que a oposição parlamentar trata da saúde ao ministro do trabalho, entretém-te, que o Eanes trata da saúde à oposição parlamentar, entretém-te, que o FMI trata da saúde ao Eanes, entretém-te filho e vai para a cama descansado que há milhares de gajos inteligentes a pensar em tudo neste mesmo instante, enquanto tu adormeces a não pensar em nada, milhares e milhares de tipos inteligentes e poderosos com computadores, redes de policia secreta, telefones, carros de assalto, exércitos inteiros, congressos universitários, eu sei lá! Podes estar descansado que o Teng Hsiao-Ping está a tratar de ti com o Jimmy Carter, o Brezhnev está a tratar de ti com o João Paulo II, tudo corre bem, a ver quem se vai abotoar com os 25 tostões de riqueza que tu vais produzir amanhã nas tuas oito horas. A ver quem vai ser capaz de convencer de que a culpa é tua e só tua se o teu salário perde valor todos os dias, ou de te convencer de que a culpa é só tua se o teu poder de compra é como o rio de S. Pedro de Moel que se some nas areias em plena praia, ali a 10 metros do mar em maré cheia e nunca consegue desaguar de maneira que se possa dizer: porra, finalmente o rio desaguou! Hão te convencer de que a culpa é tua e tu sem culpa nenhuma, tens tu a ver, tens tu a ver com isso, não é filho? Cada um que se vá safando como puder, é mesmo assim, não é? Tu fazes como os outros, fazes o que tens a fazer, votas à esquerda moderada nas sindicais, votas no centro moderado nas deputais, e votas na direita moderada nas presidenciais! Que mais querem eles, que lhe ofereças a Europa no natal?! Era o que faltava! É assim mesmo, julgam que te levam de mercedes, ora toma, para safado, safado e meio, né filho? Nem para a frente nem para trás e eles que tratem do resto, os gatunos, que são pagos para isso, né? Claro! Que se lixem as alternativas, para trabalho já me chega. Entretém-te meu anjinho, entretém-te, que eles são inteligentes, eles ajudam, eles emprestam, eles decidem por ti, decidem tudo por ti, se hás-de construir barcos para a Polónia ou cabeças de alfinete para a Suécia, se hás-de plantar tomate para o Canada ou eucaliptos para o Japão, descansa que eles tratam disso, se hás-de comer bacalhau só nos anos bissextos ou hás-de beber vinho sintético de Alguidares-de-Baixo! Descansa, não penses em mais nada, que até neste país de pelintras se acho normal haver mãos desempregadas e se acha inevitável haver terras por cultivar! Descontrai baby, come on descontrai, arrefinfa-lhe o Bruce Lee, arrefinfa-lhe a macrobiótica, o biorritmo, o euroscópio, dois ou três ofeneologistas, um gigante da ilha de Páscoa e uma 'Graciv Morn' (??) de vez em quando para dar as boas festas às criancinhas! Piramiza filho, piramiza, antes que os chatos fujam todos para o Egipto, que assim é que tu te fazes um homenzinho e até já pagas multa se não fores ao recenseamento. Pois pá, isto é um país de analfabetos, pá! Dá-lhe no Travolta, dá-lhe no disco-sound, dá-lhe no pop-xula, pop-xula pop-xula, iehh iehh, J. Pimenta forever! Quanto menos souberes a quantas andas melhor para ti, não te chega para o bife? Antes no talho do que na farmácia; não te chega para a farmácia? Antes na farmácia do que no tribunal; não te chega para o tribunal? Antes a multa do que a morte; não te chega para o cangalheiro? Antes para a cova do que para não sei quem que há-de vir, cabrões de vindouros, ah? Sempre a merda do futuro, a merda do futuro, e eu ah? Que é que eu ando aqui a fazer? Digam lá, e eu? José Mário Branco, 37 anos, isto é que é uma porra, anda aqui um gajo cheio de boas intenções, a pregar aos peixinhos, a arriscar o pêlo, e depois? É só porrada e mal viver é? O menino é mal criado, o menino é 'pequeno burguês', o menino pertence a uma classe sem futuro histórico... Eu sou parvo ou quê? Quero ser feliz porra, quero ser feliz agora, que se foda o futuro, que se foda o progresso, mais vale só do que mal acompanhado, vá mandem-me lavar as mãos antes de ir para a mesa, filhos da puta de progressistas do caralho da revolução que vos foda a todos! Deixem-me em paz porra, deixem-me em paz e sossego, não me emprenhem mais pelos ouvidos caralho, não há paciência, não há paciência, deixem-me em paz caralho, saiam daqui, deixem-me sozinho, só um minuto, vão vender jornais e governos e greves e sindicatos e policias e generais para o raio que vos parta! Deixem-me sozinho, filhos da puta, deixem só um bocadinho, deixem-me só para sempre, tratem da vossa vida que eu trato da minha, pronto, já chega, sossego porra, silêncio porra, deixem-me só, deixem-me só, deixem-me só, deixem-me morrer descansado. Eu quero lá saber do Artur Agostinho e do Humberto Delgado, eu quero lá saber do Benfica e do bispo do Porto, eu quero se lixe o 13 de Maio e o 5 de Outubro e o Melo Antunes e a rainha de Inglaterra e o Santiago Carrilho e a Vera Lagoa, deixem-me só porra, rua, larguem-me, zórpila o fígado, arreda, 'terneio' Satanás, filhos da puta. Eu quero morrer sozinho ouviram? Eu quero morrer, eu quero que se foda o FMI, eu quero lá saber do FMI, eu quero que o FMI se foda, eu quero lá saber que o FMI me foda a mim, eu vou mas é votar no Pinheiro de Azevedo se eu tornar a ir para o hospital, pronto, bardamerda o FMI, o FMI é só um pretexto vosso seus cabrões, o FMI não existe, o FMI nunca aterrou na Portela coisa nenhuma, o FMI é uma finta vossa para virem para aqui com esse paleio, rua, desandem daqui para fora, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe...
Mãe, eu quero ficar sozinho... Mãe, não quero pensar mais... Mãe, eu quero morrer mãe.
Eu quero desnascer, ir-me embora, sem ter que me ir embora. Mãe, por favor, tudo menos a casa em vez de mim, outro maldito que não sou senão este tempo que decorre entre fugir de me encontrar e de me encontrar fugindo, de quê mãe? Diz, são coisas que se me perguntem? Não pode haver razão para tanto sofrimento. E se inventássemos o mar de volta, e se inventássemos partir, para regressar. Partir e aí nessa viajem ressuscitar da morte às arrecuas que me deste. Partida para ganhar, partida de acordar, abrir os olhos, numa ânsia colectiva de tudo fecundar, terra, mar, mãe... Lembrar como o mar nos ensinava a sonhar alto, lembrar nota a nota o canto das sereias, lembrar o depois do adeus, e o frágil e ingénuo cravo da Rua do Arsenal, lembrar cada lágrima, cada abraço, cada morte, cada traição, partir aqui com a ciência toda do passado, partir, aqui, para ficar...
Assim mesmo, como entrevi um dia, a chorar de alegria, de esperança precoce e intranquila, o azul dos operários da Lisnave a desfilar, gritando ódio apenas ao vazio, exército de amor e capacetes, assim mesmo na Praça de Londres o soldado lhes falou: Olá camaradas, somos trabalhadores, eles não conseguiram fazer-nos esquecer, aqui está a minha arma para vos servir. Assim mesmo, por detrás das colinas onde o verde está à espera se levantam antiquíssimos rumores, as festas e os suores, os bombos de lava-colhos, assim mesmo senti um dia, a chorar de alegria, de esperança precoce e intranquila, o bater inexorável dos corações produtores, os tambores. De quem é o carvalhal? É nosso! Assim te quero cantar, mar antigo a que regresso. Neste cais está arrimado o barco sonho em que voltei. Neste cais eu encontrei a margem do outro lado, Grandola Vila Morena. Diz lá, valeu a pena a travessia? Valeu pois.
Pela vaga de fundo se sumiu o futuro histórico da minha classe, no fundo deste mar, encontrareis tesouros recuperados, de mim que estou a chegar do lado de lá para ir convosco. Tesouros infindáveis que vos trago de longe e que são vossos, o meu canto e a palavra, o meu sonho é a luz que vem do fim do mundo, dos vossos antepassados que ainda não nasceram. A minha arte é estar aqui convosco e ser-vos alimento e companhia na viagem para estar aqui de vez. Sou português, pequeno burguês de origem, filho de professores primários, artista de variedades, compositor popular, aprendiz de feiticeiro, faltam-me dentes. Sou o Zé Mário Branco, 37 anos, do Porto, muito mais vivo que morto, contai com isto de mim para cantar e para o resto.
 
Wish You Were Here Pink Floyd
Composição: David Gilmour / Roger Waters 
So,
So you think you can tell
Heaven from Hell,
Blue skies from pain
Can you tell a green field
From a cold steel rail?
A smile from a veil?
Do you think you can tell?
Did they get you to trade
Your heroes for ghosts?
Hot ashes for trees?
Hot air for a cool breeze?
Cold comfort for change?
Did you exchange
A walk on part in the war
For a lead role in a cage?
How I wish, how I wish you were here
We're just two lost souls
Swimming in a fish bowl,
Year after year,
Running over the same old ground.
What have we found?
The same old fears
Wish you were here


A Great Day For Freedom

Pink Floyd

Composição: Gilmour, Samson

On the day the wall came down
They threw the locks onto the ground
And with glasses high we raised a cry for freedom had arrived
On the day the wall came down
The Ship of Fools had finally run aground
Promises lit up the night like paper doves in flight
I dreamed you had left my side
No warmth, not even pride remained
And even though you needed me
It was clear that I could not do a thing for you
Now life devalues day by day
As friends and neighbours turn away
And there's a change that, even with regret, cannot be undone
Now frontiers shift like desert sands
While nations wash their bloodied hands
Of loyalty, of history, in shades of gray
I woke to the sound of drums
The music played, the morning sun streamed in
I turned and I looked at you
And all but the bitted residue slipped away...slipped away

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Cavaco lucrou 147 mil euros com acções da holding do BPN

Apesar de ter negado à TVI24 ter comprado ou vendido algo do BPN, a verdade é que Cavaco Silva teve um lucro de 147.500 euros com a venda de acções da SLN, que é dona deste banco. O negócio remonta a 2003. A filha do candidato presidencial também ganhou 209.400 euros.
As acções da SLN foram adquiridas em 2001 por um euro cada. Dois 
anos depois foram vendidas por margem de lucro de cerca de 150%.Foto de 
Estela Silva, Lusa.
 
 Foto de Estela Silva, Lusa.
As acções da SLN foram adquiridas em 2001 por um euro cada. Dois anos depois foram vendidas por margem de lucro de cerca de 150%.
Em declarações à TVI24, após o debate presidencial com Francisco Lopes, Cavaco Silva voltou a afirmar o que já havia sido divulgado em 2008 através de comunicado:  “Nunca trabalhei no BPN, nunca comprei nem vendi nada do BPN, nunca recebi qualquer remuneração do BPN, é um caso de Justiça e o Presidente da República não deve interferir nos processos judiciais”.
Na verdade, em maio de 2005, o jornal Expresso já dava conta do negócio que envolvia Cavaco Silva e a Sociedade Lusa de Negócios (SLN), dona do Banco Português de Negócios (BPN).
Cavaco Silva comprou 105.378 acções da SLN a um euro cada em 2001. Em Dezembro de 2003, vendeu-as a 2,4 euros, com um lucro de 147.500 euros. O valor da venda das acções foi determinado por contrato, cujo conteúdo se desconhece. Certo é que foi assegurada ao candidato presidencial uma mais-valia assinalável, que Francisco Louçã, coordenador da Comissão Política do Bloco de Esquerda esclarece “ser determinada por um favor contratual de Dias Loureiro ou de Oliveira e Costa, seus ex-ministro e ex-secretário de Estado”.
O presidente da República, que agora se recandidata, nomeou, entretanto, Dias Loureiro, ex-ministro e responsável na sua campanha presidencial, para o Conselho de Estado.
A filha de Cavaco Silva também adquiriu, à época, 149.640 acções da SLN, tendo vendido as suas acções ao mesmo tempo que o pai e pelo mesmo valor: 2,4 euros. O lucro obtido foi de 209.400 euros.

Cavaco Silva é “habilidoso” na sua resposta
Em declarações à Lusa, o deputado do Bloco de Esquerda João Semedo, que acompanhou a comissão de inquérito ao caso BPN, afirmou que Cavaco Silva deu uma resposta habilidosa sobre o seu envolvimento, tendo repetido exactamente o conteúdo do comunicado emitido em 2008.
O deputado do Bloco sublinha que “O que é importante sublinhar é que Cavaco Silva pretende enganar-nos com a verdade, é uma resposta manhosa, porque a verdade é que Cavaco Silva beneficiou deste sistema pouco transparente de compra e venda de acções”.
João Semedo esclareceu que nunca viu, no âmbito da comissão de inquérito, o contrato de Cavaco Silva com a SLN, e que seria “interessante saber se as acções compradas e posteriormente vendidas” pelo actual Presidente da República foram sujeitas ao direito de preferência dos restantes accionistas.

BPN 'aquece' duelo

Cavaco e Alegre estiveram frente-a-frente na RTP1

BPN 'aquece' duelo

No último debate televisivo para as eleições presidenciais, o caso BPN aqueceu esta quarta-feira o debate entre os candidatos Cavaco Silva e Manuel Alegre, na RTP1.

Por:Cristina
O ex-deputado socialista classificou-o de "escândalo finaceiro", revelador da "promiscuidade entre a política e os negócios", alundindo a antigos governantes, como Oliveira e Costa, que surgiram na vida política com o actual Chefe de Estado. Cavaco não gostou e falou em insinuações. Mas Alegre ripostou: "Não são insinuações, são factos."

Insistindo com Manuel Alegre para consultar as suas declarações de rendimentos no Tribunal Constitucional, Cavaco Silva fez ainda algumas revelações sobre o processo de nacionalização do BPN. Começou por dizer que teve dúvidas sobre o diploma aprovado pelo Parlamento sobre a nacionalização do banco, mas afiançou que tanto o Governo como o Banco de Portugal lhe deram documentação para o convencer a promulgar a nacionalização.

"Tenho a documentação toda na minha mão", argumentou. Depois, estranhou que uma administração independente nomeada para o BPN não tenha alcançado os resultados que, por exemplo, em Inglaterra, com procedimentos similares, se obteve, deixando uma crítica implícita aos gestores do BPN.

Quanto à injecção de mais 500 milhões de euros, Cavaco despiu a 'pele' de candidato e frisou que o Executivo não o abordou sobre o assunto. Mas não antecipa decisões.

Manuel Alegre voltou a frisar que o BPN tem de ter solução e não se pode continuar a injectar dinheiro no banco.

Num confronto intenso, em que Cavaco Silva procurou jogar ao ataque, o Presidente diz que Alegre tentou "enganar os portugueses"  ao acusá-lo de querer esvaziar alguns pilares dos serviços públicos como o Serviço Nacional de Saúde. "Por 50 vezes", frisou sempre Cavaco ao argumentar que Alegre tentou enganar os porttugueses.

Já o candidato apoiado pelo PS e pelo BE apontou o dedo a Cavaco Silva pela proximidade à agenda política dos dois partidos que apoiam o actual inquilino de Belém: PSD e CDS-PP.

O caso das escutas em Belém ainda foi aflorado por Manuel Alegre na tentativa de demonstrar um dos aspectos em que a cooperação estratégica não funcionou.

Sobre uma eventual crise política, Cavaco Silva sublinhou que "só a Assembleia da República é que pode retirar a confiança política ao Governo", alundindo ao cenário de moção de censura aprovado.

"Eu não me candidato para defender este Governo. Este ou qualquer outro", afirmou Manuel Alegre. E lembrou que há forças políticas que querem uma nova Aliança Democrática (AD). 

Cavaco lucrou 147 mil euros com acções da holding do BPN

Apesar de ter negado à TVI24 ter comprado ou vendido algo do BPN, a verdade é que Cavaco Silva teve um lucro de 147.500 euros com a venda de acções da SLN, que é dona deste banco. O negócio remonta a 2003. A filha do candidato presidencial também ganhou 209.400 euros.

Ultima hora....Rui Pereira vai processar Pai Natal

Rui Pereira vai processar Pai Natal pois os 5 trenós blindados encomendados pelo MAI estão retidos por causa da neve na Lapónia

Por António Marques















Os 4 blindados que o MAI comprou para dar porrada nos Black Block, Bloc Party e New Kids on the Block, ainda estão no Canadá.
O IP falou com Rui Pereira: “Como os blindados nunca mais vinham, encomendei 6 trenós blindados ao Pai Natal, armados com metralhadoras Uzi! O acordo foi feito com a Santa Claus Weapons, a filial de armamento do Pai Natal, por 35 milhões de euros! Porém, os trenós blindados deviam chegar na noite de 24 de Dezembro, pelo que vamos processar o Pai Natal em 50 milhões de euros !“. O IP falou com o Pai Natal : “Os trenós ficaram retidos na Lapónia devido à neve, eu estou sujeito às leis da aviação! Não pude ir a Lisboa falar com o ministro, pois passei o Natal no Irão, a vender trenós com mísseis ao Ahmadinejad ! Este ano não dei presentes às crianças, pois estava em causa um negócio de 7 mil milhões de euros ! Foi o melhor Natal da minha vida! Ho, Ho, Ho!“.
A.M

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

AS NOVIDADES QUE NOS DÃO HOJE

Ver capa do CM
 
Correio da Manhã
Prisões: Guardas agredidos
Portimão: Acidente faz uma vítima
Pesado choca com casa
Marinho Pinto: Orçamento rejeitado
Menino cai em fosso de orquestra




Ver capa do Público
 
Público
Relatório anual do IDT aponta para uma diminuição das mortes por overdose
Troca de recados entre Belém e S. Bento com campanha pelo meio
Cavaco Silva resiste a ataques de Francisco Lopes e demarca-se de radicalismos
Cortes do abono de família debaixo de fogo da oposição
Alegre alerta para uma nova ditadura dos mercados




Ver capa do i
 
Jornal i
BPN: Lopes acusa Cavaco de "acordo estratégico" na nacionalização
Há 53 abortos legais todos os dias em Portugal
Mandado de detenção europeu: o problema chamado Reino Unido
Mandatário de Alegre apela ao apoio de Mário Soares
Primeiro-ministro decreta tolerância de ponto na 6.ª feira e tarde de dia 31 de Dezembro
 
   



Ver capa do JN
 
Jornal de Notícias
Bernabé diz-se tratado como um "terrorista" e reclama 70 mil euros ao Benfica
NASA retira Discovery da base de lançamento
Galochas coloridas estão na moda
Espanha chumba lei que permitiria bloquear sites de downloads
Fez mais de 80 figuras para presépio



Ver capa do DE
 
Diário Económico
Aeroporto de Frankfurt começa a voltar à normalidade mas ainda cancela 60 voos
Lacão devolve dinheiro destinado a base de dados de publicidade
Hospitais agravam prazo de pagamento aos fornecedores
Parlamento dos Açores vota hoje subsídio de compensação após veto
Quarto dia de malas perdidas e atrasos na Portela




Ver capa do J. Negocios
 
Jornal de Negócios
Jerónimo Martins e Portucel destacam dividendos e penalizam bolsa
Deutsche Bank admite crime fiscal e acorda pagar 554 milhões de dólares aos EUA
Revista de imprensa diária
Acções asiáticas impulsionadas por perspectivas de crescimento nos EUA
As notícias em foco na edição de hoje, dia 22 de Dezembro, no Negócios




Ver capa do OJE

 
OJE
Edição solidária do OJE Receitas ajudam no combate à fome
Economia dá sinais de desaceleração
Brisa na lista das vendáveis da Abertis
Comissões caem para mínimos de 1998 na Europa
Nokia com Windows está a ser estudado
 






Ver capa da Bola
 
A Bola
«Respeito Vieira: águia até voa grátis!» - Juan Bernabé
Louletano com equipa de clube
Poveiros na mira das águias
Aimar pode sair em Janeiro
Villas Boas é o melhor da década




Ver capa do Record
 
Record
Liedson: «Saída do Sporting não faz sentido nenhum»
Nolito está cada vez mais perto dos encarnados
Parada sobe para 10 milhões
Coentrão só sai pela cláusula
Ukra por Mariano e Castro a analisar




Ver capa do Jogo
 
O Jogo
Federer bate Nadal por boas causas
Manuel Agudo Durán (Nolito) troca Barcelona pelo Benfica
Laurentino Dias pondera cancelar o Estatuto de Utilidade Pública Desportiva da FPF
Twente bate Vitesse (5-0) e apura-se para os ?quartos?
Valência não consegue derrubar ?muralha? do Villarreal

 

 

 

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola