Número total de visualizações de página

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Queima das fitas ou queima da dignidade?


Por José Milhazes

São os organizadores da Queima das Fitas que limpam os montes de lixo e vómitos que os estudantes deixam para trás? E as cervejeiras que patrocinam as borracheiras ajudam a pagar as consequências?

Já tive várias vezes oportunidade de assistir à Queima das Fitas na cidade de Coimbra – não de propósito, mas por motivos profissionais – e constato que é difícil encontrar um espectáculo tão degradante e indigno como esse. Fica-se com a impressão de que a “copofonia” é a principal disciplina leccionada numa das mais antigas escolas superiores pelo mundo.

Em companhia de alunos da Escola de Língua e Cultura Portuguesa em Moscovo, fui visitar o edifício da Universidade de Coimbra e deparámos com uma cerimónia de “última praxe”, onde participavam jovens de ambos os séculos vestindo roupas sujas e alguns com orelhas de burro na cabeça. Para que eles compreendessem o que se passava, tive de recorrer à comparação com a “dedovschina” (praxe nas forças armadas da União Soviética e Rússia) e, recorrendo à tragédia na Praia o Meco, sublinhar que práticas “estudantis” como essa podem provocar vítimas mortais.

Mais difícil ainda foi explicar-lhes porque é que, ao cair da noite, os estudantes se juntam para consumirem quantidades extraordinárias de bebidas alcoólicas, principalmente cerveja, e se transformam em autênticos porcos, transformação que a capa negra não consegue esconder.

Comecei por contar aos meus alunos a história da Queima das Fitas e aconselhei-os a assistir à serenata nocturna na Praça da Velha, decisão de que rapidamente me arrependi. O espectáculo a que assistimos no centro histórico da cidade foi desolador. Centenas de jovens de ambos os sexos bebiam, muitos deles já cambaleando e caminhando com dificuldade. Quando se aproximou a hora da serenata e nos dirigíamos para a Praça da Sé, pudemos apreciar estudantes urinando contra as paredes ou caídos no chão completamente bêbados. Junto a um dos estudantes já se encontrava uma ambulância para lhe prestar assistência.

Quanto ao cortejo da Queima das Fitas, tive a oportunidade de assistir a ele há dois anos atrás, igualmente acompanhado de estudantes russos, e o quadro foi também verdadeiramente deprimente. Transportados em cargos alegóricos com enfeites pouco originais, estudantes (rapazes e raparigas) lançavam para a multidão bebidas alcoólicas ou, demonstrativamente, bebiam-nas directamente das garrafas e até de mangueira. Surpreendente era também a forma feliz como muitos dos pais e parentes assistiam a esta loucura colectiva.
Eu não tive a oportunidade de estudar na Universidade de Coimbra e de entrar em contacto com as tradições estudantis, mas se estes espectáculos são o culminar de um curso universitário e das ditas tradições, então não tenho pena nenhuma. Posso estar a ser injusto, mas é a sensação com que se fica.

Seja como for, gostaria de colocar aqui algumas perguntas: são os organizadores da Queima das Fitas que limpam os montes de lixo e vómitos que os estudantes deixam atrás de si ou são os serviços de limpeza da Câmara Municipal de Coimbra que realizam esse trabalho com o nosso dinheiro? São os organizadores que pagam aos polícias, bombeiros, médicos e enfermeiros que velam pela segurança e a saúde dos estudantes ou são os portugueses que entram com os seus impostos? E, finalmente, as cervejeiras que patrocinam as borracheiras contribuem também para pagar as consequências?

Este é um dos casos em que o Estado e o governo deveriam actuar, mas não me apercebi, talvez ande distraído ou pouco informado, que tanto os governos de direita como os de esquerda tenham tomado medidas para dignificar a Queima das Fitas em Coimbra.

Assisti à serenata pela televisão e gostei, bem como os meus alunos que aprenderam a cantar o fado: “Coimbra tem mais encanto na hora da despedida…”, mas as centenas de bêbados e bêbadas que se encontravam na Praça da Sé Velha não mereciam assistir a ela, podiam ter ido curar a ressaca para as “repúblicas” e dar lugar àqueles que realmente gostam de Coimbra e das suas tradições."

Sem comentários:

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola