Número total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Militares e polícias: homens ou robôs

Militares e polícias: homens ou robôs
por Mário Cabrita *
Desde que os militares entregaram o poder aos políticos em nome da democracia, estes têm prosseguido uma cruzada para reduzir as Forças Armadas (FA) e as Forças de Segurança (FS) a um grupo diminuto, submisso e abúlico, de funcionários públicos prontos para qualquer missão, como se fossem máquinas acéfalas e irracionais.
Os sucessivos governos não tiveram pejo em ir retirando os poucos direitos que os elementos das FA e das FS ainda possuíam, em humilhá-los e denegrir a sua imagem e dignidade. O aumento do desconto para o IASFA, a eliminação do Complemento de Pensão e do Fundo de Pensões, a redução dos efetivos das FA, a criação de novos postos com o objetivo de reduzir vagas no topo e aumentá-las nos escalões mais baixos, são medidas recentes que se inserem nesse plano.
Os militares foram demasiado passivos em todo este processo? Talvez, especialmente algumas chefias, já que a subordinação ao poder político não pode ser panaceia para justificar as arbitrariedades que vêm sendo cometidas.
Os militares não são autómatos. São seres humanos que pensam e que têm coração, capazes de dar a vida pelo seu camarada e perdoar ao seu inimigo, com valores morais pelos quais regem a sua vida, mas que nada dizem aos "jotinhas" que ignoram o que seja o privilégio e a honra de cumprir o serviço militar. São homens e mulheres que à chegada ao quartel, às dez da noite, vindos de um exercício ou operação, sem jantar e muitas vezes encharcados e com frio, a primeira actividade que executam é a manutenção do material utilizado, depois tratam dos animais e só depois passam aos homens: praças, sargentos e oficiais, por esta ordem.
Também as FS vêm sofrendo tratamento idêntico, com uma Sra. Ministra que demonstra total inépcia para o cargo e que se prepara para resolver um problema, o do Estatuto da PSP, criando um maior, o do Estatuto da GNR.
Alguns políticos habituaram-se a ver os elementos das FS como estátuas plantadas à porta das suas residências. À passagem, nem se dignam dar-lhes uma "boa noite" que lhes aqueça a alma ou oferecer-lhes um café que lhes aqueça o corpo.
Quando há acidentes que obrigam ao uso de armas de fogo sobre cadastrados, com perda de vidas, o que se lamenta, os Srs. Deputados da 1.ª Comissão Parlamentar são lestos em chamar o MAI e os responsáveis pela GNR e PSP para pedir explicações e, por vezes, deixar implícita uma crítica aos procedimentos das FS. Ao invés, nenhum desses Srs. Deputados foi visto nos funerais dos membros das FS que deram a vida para garantir a segurança dos cidadãos.
Também merecem realce os sentimentos que, amiúde, se apossam dos elementos das FS quando se confrontam com manifestações populares. Dentro daqueles fatos estão homens e mulheres revoltados com a situação, que rangem os dentes de raiva e vertem lágrimas de desespero, porque do outro lado das barreiras estão amigos e familiares e é onde, por vezes, eles também gostariam de estar. Mas não. O sentido do dever e o espírito de missão não o permitem e sobrepõem-se a tudo. Até quando?
A maioria dos políticos não consegue compreender que haja homens e mulheres que, conscientemente, estejam dispostos a dar a vida em defesa do cidadão e da Pátria. Este modo de estar, esta atitude e este profissionalismo fá-los sentir-se ameaçados e receosos. Postura de quem é fraco e, nomeadamente, de quem não é merecedor das FA e FS que tem.
* Tenente-General na reforma


Sem comentários:

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola