Número total de visualizações de página

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Mário Bettencourt Resendes


Mário Bettencourt Resendes
Alexandre Almeida/Kameraphoto

Um verão diferente, este começa triste porque vejo pessoas importantes do nosso espaço intelectual a partir e dificil de subistituir.

O jornalista morreu na segunda-feira, aos 58 anos, vítima de doença oncológica.
Realiza-se hoje o funeral do jornalista Mário Bettencourt Resendes, antigo director do “Diário de Notícias”. O cortejo fúnebre parte da igreja de S. João de Deus (Praça de Londres), em Lisboa, onde haverá uma missa às 15h00.

O funeral segue depois (15h45) para o cemitério dos Olivais, onde o corpo do jornalista será cremado às 17h00.

Mário Bettencourt Resendes morreu ontem, aos 58 anos, vítima de cancro. Desempenhava, actualmente, a função de Provedor do Leitor do jornal “Diário de Notícias” e foi, nos últimos anos, um dos comentadores políticos mais presentes na televisão e na rádio.

Tornou-se mais conhecido por ser director do “DN”, cargo que ocupou no início da década de 90 e donde saiu em 2003.

Mário Bettencourt Resendes nasceu em 1952, em Ponta Delgada, e começou a sua carreira no jornalismo em 1975.

Cavaco Silva expressa "grande pesar" pela morte de Bettencourt Resendes

Jornalistas evocam companheiro de profissão

Obelix e a Companhia

"Não há explicação para não ter sido ouvido quem quer que seja"

Pinto Monteiro criticou procuradores

Pinto Monteiro, procurador-geral da República (PGR), revelou que não encontra explicações credíveis "para não ter sido ouvido quem quer que seja", (...)

domingo, 1 de agosto de 2010

Será esta a turma da Escola no Futuro?

Quem os viu…

Abrantes investiga as tramóias do 'chefe máximo'

Este e este são, porventura, os dois piores ataques que se podiam fazer contra a credibilidade do actual PGR.


Quem os viu…

… e quem os vê hoje tão discretos:












Mais primeiras páginas da caçada










SOL-O FREEPORT NUNCA EXISTIU?

"Juro que nada tenho haver"

"Pura mentira..."
"Mais uma inventona"

"Andam com miragens"

"Foram às compras"

"Uma reunião de bons amigos"



Autor: Felícia Cabrita
Data: SAexta-Feira, 30 de Julho de 2010
Pág.: 01-04
Temática: Política e Sociedade

O FREEPORT NUNCA EXISTIU?

Processo foi interrompido a meio. Ordem para parar foi dada pelo vice-PGR, que está em situação ilegal.

Ficou quase tudo por apurar: não foi possível seguir o rasto do dinheiro nem sequer saber a quem pertenciam nomes de código como Pinocchio ou Gordo.

Vice-PGR impede inquirição de Sócrates

Os magistrados do DCIAP queriam ouvir Sócrates no inquérito ao caso Freeport, mas não tiveram tempo. Receberam ordem para encerrar o caso até 25 de Julho.

A DECISÃO, tomada a 4 de Junho pelo vice-procurador-geral da República, Mário Dias Gomes, de ordenar o encerramento do inquérito ao caso Freeport até 25 de Julho comprometeu, segundo os magistrados Vítor Magalhães e Paes Faria, o apuramento cabal de todos os indícios e dúvidas em torno do licenciamento do centro comercial de Alcochete.
A ordem do vice-PGR - que terá tido em conta o facto de o segredo de justiça sobre o inquérito terminar a 27 de Julho - impediu que chegasse, em tempo útil, a resposta às cartas rogatórias enviadas para paraísos fiscais, sobre informação de várias contas bancárias. Mas sobretudo, impossibilitou a inquirição de José Sócrates, que à data dos factos era ministro do Ambiente, e de Rui Gonçalves, seu ex-secretário de Estado.
Os magistrados do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), responsáveis por
quatro anos nas mãos da Policia Judiciária de Setúbal sem avançar), fizeram mesmo questão de, no despacho de acusação proferido esta semana, elencar as 27 questões que pretendiam colocar ao primeiro-ministro sobre o caso. E que revelam que, para o Ministério Público (MP), Sócrates tinha muito para esclarecer.
Entre essas questões, os dois titulares do inquérito queriam que o PM, além de explicar o seu conhecimento sobre todo o processo de aprovação do Freeport, confirmasse, por exemplo, « a recepção, na sua residência de uma carta que lhe terá sido dirigida pelo arguido Manuel Pedro, tratando-o por `Caro amigo’ ». E explicasse «o teor das declarações prestadas por Hugo Monteiro» (seu primo), que afirmou ter ido a sua rasa, em 2004, pedir a autorização de Sócrates para criar um endereço eletrónico com o seu nome, de forma a conseguir um contrato com o Freeport.
A verdade é que a leitura do despacho final deste inquérito, com quase 300 páginas, permite perceber que, entre a convicção dos magistrados sobre os responsáveis de todo o caso e a sua decisão de acusar apenas dois arguidos e absolver outros cinco - nos quais nunca esteve incluído Sócrates, nem o seu antigo secretário de Estado -, vai uma grande distância.
Curiosamente, o nome do PM só é mesmo referido, como `alvo’ das dúvidas dos investigadores, neste despacho do MP Porque o relatório final da Judiciária, que Vítor Magalhães e Paes Faria salientam ser «inconclusivo», não faz qualquer referência à necessidade de questionar Sócrates ou Rui Gonçalves sobre o licenciamento do Freeport.

Sempre presente

O desfecho deste inquérito não permite, por isso, dizer que o caso foi concluído e que tudo se esclareceu - como pretendeu o PM, nas declarações feitas esta semana, depois de saber da decisão do DCIAP
Ao longo do despacho de acusação, multiplicam-se as contradições entre os depoimentos de suspeitos e testemunhas, não se explica a maior parte dos movimentos de milhões de euros em numerário e nem sequer se consegue esclarecer quem eram «Pinochio», o «Gordo» ou «Bernarda» -nomes de código várias vezes referidos na correspondência electrónica trocada entre arguidos, quando falavam de subornos para desimpedir os entraves criados ao licenciamento do outlet.
Em contrapartida, os magistrados registam, por exemplo, que, entre 8 e 24 de Janeiro de 2002-dois meses antes da aprovação do projecto -, <>

Extorsão e fraude fiscal

Manuel Pedro e Charles Smith, que representaram a Freeport no processo de apresentação e licenciamento do projecto, são, então, os únicos acusados neste inquérito. O MP imputa-lhes a prática do crime de extorsão, por terem exigido à empresa inglesa a entrega de elevadas quantias em dinheiro, sob pena de o Freeport não conseguir ver o seu projecto aprovado pelas autoridades nacionais.
O MP entende ainda haver fortes indícios da prática de vários crimes de fraude fiscal por parte dez pessoas envolvidas no caso - entre eles, os ex-presidente e vice-presidente do ICN, Carlos Guerra e José Manuel Marques, o arquitecto Capinha Lopes, o ex-autarca de Alcochete, José Dias Inocêncio, e o tio de Sócrates, Júlio Monteiro .

Ficaram sem resposta os pedidos de informação do DCIAP sobre contas em paraísos fiscais.


Evangelho segundo São Lucas 12, 13-21

Naquele tempo, alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: «Mestre, diz a meu irmão que reparta a herança comigo». Jesus respondeu-lhe: «Amigo, quem Me fez juiz ou árbitro das vossas partilhas?». Depois disse aos presentes: «Vede bem, guardai-vos de toda a avareza: a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens». E disse-lhes esta parábola: «O campo dum homem rico tinha produzido excelente colheita. Ele pensou consigo: ‘Que hei-de fazer, pois não tenho onde guardar a minha colheita? Vou fazer assim: Deitarei abaixo os meus celeiros para construir outros maiores, onde guardarei todo o meu trigo e os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo: Minha alma, tens muitos bens em depósito para longos anos. Descansa, come, bebe, regala-te’. Mas Deus respondeu-lhe: ‘Insensato! Esta noite terás de entregar a tua alma. O que preparaste, para quem será?’. Assim acontece a quem acumula para si, em vez de se tornar rico aos olhos de Deus».

Portal do Bullying com 20 mil visitas




Aí está um site com muito interesse, não fosse ele, dedicado aos jovens e a esta praga que afecta não só os mais novos como os mais velhos. Bullying.

Podemos encontrar:

Psicoterapia para Adolescentes vítimas de Bullying;

Questionário sobre cyberbullying;

Ciclo de Workshops...

Sinais de Alarme

Como sei que o meu filho está a ser vítima de maus-tratos psicológicos?





Tudo isto e muito mais num site a visitar: http://www.portalbullying.com.pt/

Escolas

Portal do Bullying com 20 mil visitas

O fórum do Portal do Bullying, lançado a 30 de Janeiro, recebeu nos primeiros seis meses de funcionamento cerca de 20 mil visitas, registando-se mais de 365 mil visualizações de páginas.

Por:Lusa

No fórum (público) foram deixadas mais de 100 mensagens, enquanto no chat ou via e-mail (confidencial) o número ultrapassa as 400. É através do chat que uma equipa de psicólogos responde, esclarece e apoia qualquer utilizador.

Jovens e adolescentes "não sabem como lidar com a situação porque há o receio da denúncia, de serem alvo de retaliações", explica Tânia Paias, directora do portal. Para a responsável, independentemente das alterações introduzidas no Estatuto do Aluno ou a consideração do bullying como crime, o importante "é intervir no espaço escolar". "Quando é continuado no tempo, durante o percurso escolar, o bullying deixa repercussões nos adultos ao nível social e profissional", esclarece a psicóloga.

Distribuição de "Diplomas" porta a porta.

A ministra da Educação promete ouvir pais, professores e escolas antes de tomar uma decisão

Chumbar custa 600 milhões

No dia 22 de Julho, os votos do PS e do CDS-PP permitiram aprovar o novo Estatuto do Aluno, documento que recupera a possibilidade de os alunos ficarem retidos num ano escolar se ultrapassarem o limite de faltas injustificadas.

Por:Edgar Nascimento

Ontem, 31 de Julho, a ministra da Educação, Isabel Alçada, afirmou que "os chumbos quase nunca são benéficos" e, em entrevista ao ‘Expresso’, adiantou que está a ponderar alterar as regras de avaliação durante o seu mandato. O chumbo, disse, "não tem contribuído para a qualidade do sistema" e, por isso, "a alternativa é ter outras formas de apoio, que devem ser potenciadas para ajudar os que têm um ritmo diferenciado". Segundo as contas da tutela, os chumbos custam todos os anos ao País 600 milhões de euros.

A ideia da ministra não agradou aos partidos da Oposição, sendo a reacção do CDS-PP a mais incisiva: a medida de Isabel Alçada é "um disparate" e "uma injustiça". "Portugal, dizem os populares, "necessita de valorizar a cultura do mérito".

De acordo com as estatísticas do ano lectivo 2008/09, a taxa de retenção e desistência foi de 7,6 por cento no ensino básico, sendo o 3º ciclo aquele em que há mais registo de chumbos: 13,8 por cento. No ensino secundário, a taxa de retenção/desistência cifrou-se nos 18,7 por cento.

Nota: Nova missão do professor;

"No futuro, devem evitar de os alunos irem à escola... os professores "devem distribuir os diplomas" gratuitamente, de porta à porta. "Viva a educação deste país de bandalheira"

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola