Número total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de março de 2017

15 minutos à Benfica: o mito nasceu com uma vitória, a história lembra uma derrota

Nené no jogo entre o Benfica e o Feyenoord ASF

Estádio da Luz a fervilhar. Segundo os relatos da época, 69.021 espectadores nas bancadas a acreditarem que o Benfica treinado por Jimmy Hagan seria capaz de dar a volta a uma eliminatória que tinha começado mal, na Holanda, onde o Feyenoord havia ganha por 1-0 a primeira mão. O titularíssimo António Simões era uma carta fora do baralho para a partida de Lisboa, pois escorregou numa escada quando ia para o treino e partiu um braço. Mas nem o azar do esquerdino tirava a crença dos benfiquistas numa reviravolta do marcador e na passagem às meias-finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Afinal, havia Jaime Graça, havia Artur Jorge, havia Jordão, havia Nené, até havia Eusébio…

E o jogo não podia ter começado melhor para as “águias”. Estavam decorridos apenas cinco minutos quando Nené igualou a eliminatória. A Luz incendiava-se e começou a arder 26 minutos depois, após o golo de Jordão. Em pouco mais de meia-hora o Benfica dava a volta à eliminatória e fazia o austríaco Ernst Happel, treinador da equipa holandesa, engolir as palavras proferidas depois do triunfo em Roterdão - no campeonato holandês, os portugueses jogariam para “não descer de divisão".

Só que o Feyenoord não era uma equipa qualquer. Os campeões holandeses tinham muitos internacionais e dois anos antes tinham vencido a Taça dos Clubes Campeões Europeus e a Taça Intercontinental. A um quarto de hora do fim, um golo de Schoemaker colocou o resultado em 2-1 e emudeceu a Luz. Os “encarnados” estavam fora da prova e, com apenas um quarto de hora para jogar, muitos foram os que desistiram.

Centenas começaram a dirigir-se para o exterior do estádio sem imaginar no que estava prestes a acontecer. Num assomo de raiva, num ímpeto de galhardia, o capitão Jaime Graça rouba a bola aos holandeses, que a passavam com algum desdém de jogador para jogador no seu meio-campo. Num ápice ela acaba nos pés de Nené, que marca o seu segundo da noite (o terceiro dos benfiquistas) aos 81’ e dá início a uma goleada que terminaria com o triunfo dos “encarnados” por 5-1, depois de mais dois golos – um de Jordão (87’) e outro de Nené (89’). Três golos nos últimos 15 minutos.

O que se passou naquele período, no relvado da Luz, entrou para a história como os 15 minutos à Benfica. Uma expressão que tenta descrever um futebol avassalador, uma espécie de vendaval ofensivo que empurra os adversários para trás, uma sucessão de ataques incessantes protagonizada pelos homens vestidos de “encarnado” e que encosta o opositor às cordas até o deixar KO, permitindo dar a volta a resultados desfavoráveis.

Muitos anos mais tarde, Nené, o homem daquele jogo, elegeu-o como o jogo da sua carreira. O avançado, na primeira pessoa, em declarações ao PÚBLICO em 2004: “No jogo da primeira mão, em Roterdão, o treinador do Feyenoord, Ernst Happel, meteu-se muito connosco, disse que o Benfica era uma equipa de provincianos que não sabiam jogar futebol. O próprio capitão, van Hanegem, comparou o Benfica ao Excelsior, na altura o último classificado do campeonato holandês. O ambiente no jogo de Lisboa, como sempre, estava fantástico, com o Estádio da Luz completamente cheio. Os jogadores sentiam muito o peso daquele estádio e aos 30 minutos de jogo já estávamos a ganhar por 2-0 – o suficiente para nos qualificarmos para as meias-finais, já que tínhamos perdido o primeiro jogo por 1-0. Mas eles fizeram o 2-1 perto do fim e tudo parecia perdido. Muita gente começou a abandonar a Luz. Lembro-me que os jogadores do Benfica olharam uns para os outros e acho que não foi preciso dizer mais nada. Cerrámos os dentes. As palavras do senhor Happel ainda estavam nos nossos ouvidos e mexeram connosco. Quisemos demonstrar-lhe o que era o Benfica, o Estádio da Luz, o famoso terceiro anel. Nos últimos dez minutos de jogo, marquei dois golos e o Jordão outro. Tinha 22 anos e essa foi, certamente, uma das noites mais inesquecíveis da minha vida.”

Os 15 minutos à Benfica foram, assim, forjados num período aúreo do Benfica, com Jimmy Hagan no comando de uma equipa quase imbatível. O inglês chegou à Luz em 1970-71 e rodeado de uma série de jogadores de excelência conduziu os “encarnados” a três títulos de campeão nacional, o último dos quais praticamente perfeito: 30 jogos, 28 vitórias, dois empates e zero derrotas; 101 golos marcados, 13 sofridos; 18 pontos de avanço para o segundo classificado.

Belenenses entra na história

Mas se as “águias” criaram o seu mito nesse duelo ganho ao Feyenoord e protagonizaram ao longo da sua história muitos outros 15 minutos à Benfica, a origem da expressão é outra e mais antiga, mas também envolve os benfiquistas.

28 de Fevereiro de 1926. O Belenenses jogava em casa do Benfica, no campo das Amoreiras, para o Campeonato de Lisboa. A novidade no “onze” azul era um jovem chamado Pepe, com 18 anos, que viria a tornar-se um herói no clube da Cruz de Cristo e a merecer uma estátua no Estádio do Restelo. Os “encarnados” chegaram aos 4-1, mas nos últimos 15 minutos, tudo mudou. Em 13 minutos os “azuis” apontaram três golos e no último minuto foi assinalado penálti na área benfiquista. Chamado à conversão Pepe não tremeu e consumou a reviravolta. Tinha acabado de nascer o quarto de hora à Belenenses.

Ao longo dos anos que se seguiram, a formação “azul” fez juz à expressão em algumas ocasiões. A mais famosa de todas foi, muito provavelmente, a do embate com o Sport Elvas e Benfica, na última jornada do Campeonato Nacional da I Divisão de 1945-46 e que rendeu o até agora único título de campeão aos “azuis”. O Belenenses Ilustrado relata assim o que aconteceu nessa tarde, no Alentejo: “Ao intervalo, os elvenses venciam por 1-0, resultado que servia ao Benfica, ainda a viver a euforia de uma vitória histórica sobre o Sporting, por 7-2! À passagem dos 75 minutos, o Belenenses empatou, por Quaresma, que despertava de madrugada e ainda noite feita apanhava o cacilheiro para poder estar nas Salésias à hora do treino, trabalhando, depois, como, afinal, todos os outros, o resto do dia, como electricista. Cinco minutos depois, através de Rafael, o golo que valeu o título. E a festa toda de azul e oiro — de sangue, suor e lágrimas. Comovente, asseveram as crónicas, os homens da ‘Cruz de Cristo’, unidos num abraço longo, no centro do terreno, com as faces inundadas de suor, desfeitas também em lágrimas.”

Sempre com alguma poesia à mistura, os relatos destes momentos épicos vividos pelos clubes não são exclusivos de nenhum deles. Em alguma altura na história, há algo que faz os adeptos orgulharem-se dos emblemas que amam. Se na Luz há os 15 minutos à Benfica, e no Restelo o quarto de hora à Belenenses, no Dragão elogia-se a equipa que “joga à FC Porto” e em Alvalade admira-se quando os 11 futebolistas em campo jogaram como “leões”. No fundo, como disse ao PÚBLICO Toni, um dos homens que actuou na equipa “encarnada” no tal triunfo histórico com o Feyenoord, o que os adeptos querem é sentir que em campo estão atletas “que se entregam com paixão e dedicação às cores que defendem”. 

Sem comentários:

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola