Número total de visualizações de página

terça-feira, 3 de maio de 2016

SALGADO E OS SEUS AMIGOS



A empresas de José de Mello, Luís Filipe Vieira, Joe Berardo, Vasco Pereira Coutinho, Nuno Vasconcellos, Carlos Martins e José Guilherme estão entre os maiores devedores do banco, noticia o Correio da Manhã.
O Correio da Manhã divulga este sábado a lista dos maiores devedores do Banco Espírito Santo, sendo que os 21 maiores têm uma dívida conjunta ao banco de 6,6 mil milhões de euros.

Entre os maiores devedores (agora do Novo Banco, depois da resolução aplicada ao BES em 2014) encontram-se as empresas lideradas por empresários conhecidos, como José de Mello, Luís Filipe Vieira, Joe Berardo, Vasco Pereira Coutinho, Nuno Vasconcellos, Carlos Martins ou José Guilherme, construtor que ofereceu 14 milhões de euros a Ricardo Salgado.

O maior devedor é o Grupo Mello, com 945 milhões de euros, sendo que os 19 maiores devedores têm uma dívida acima de 108 milhões de euros cada um.

O BES concedeu o crédito a esses clientes durante a presidência de Ricardo Salgado, sendo que a exposição do Novo Banco a alguns desses 21 clientes poderá ter sido, entretanto, reduzida, como é o caso do Grupo José de Mello, que neste momento, "tem uma dívida muito inferior".

O CM assinala que os maiores devedores são empresas lideradas por pessoas próximas de Ricardo Salgado, como é o caso da Ongoing de Vasconcellos, com uma dívida de 606 milhões de euros (segunda maior).

Mais de metade da dívida total está concentrada em clientes da construção e imobiliário, como é o caso do Grupo Lena, dos irmãos António e Joaquim Barroca, Obriverca, de Eduardo Rodrigues, Temple, de Vasco Pereira Coutinho, ou Promovalor, de Luís Filipe Vieira.


O Sport Lisboa e Benfica (SLB) e a empresa de Luís Filipe Vieira têm juntos no Novo Banco uma dívida de 656 milhões de euros.


Mais artigos relacionados 
  1. A Eurofin terá servido para criar e implementar alegados esquemas de financiamento fraudulento de diversas sociedades do GES com o objectivo de ocultar o passivo das holdings do grupo, noticia o Observador.
  2.  BES. Clientes terão sido enganados em 10 mil milhões.

Notas soltas
O problema é que os clientes não sabiam que detiam esse SPV e desconheciam a realidade financeira das sociedades do GES. Além disso, os SPV eram formalmente geridos pelo Crédit Suisse mas, na realidade, a gestão pertencia ao BES com o objetivo de ocultar a dívida das sociedades do GES.
O que é um SPV?
Chama-se Special Purpose Vehicle, é uma sociedade veículo e serve para adquirir ou financiar a aquisição de ativos específicos. Genericamente, o SPV é uma empresa subsidiária que tem a obrigação de garantir as suas obrigações mesmo que a empresa mãe entre em processo de insolvência. 

O que são obrigações de cupão zero?
São obrigações que não têm cupão (taxa de juro) mas que é emitida com desconto em relação ao seu valor nominal. Ou seja, um investidor que compre uma obrigação de 100 euros por 95 euros (desconto de 5%), sabe que no final do contrato receberá mais 5 euros do que o montante investido inicialmente.

O que eram as séries comerciais do BES?
De acordo com o site da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, o código que se inicia por SCBES era um código meramente interno utilizado pelo BES. “Estes instrumentos correspondem a investimentos em obrigações (emitidas pelo BES) ou ações preferenciais (de entidades relacionadas com o BES), e foram designados pelo BES como Séries Comerciais. Na sua substância, consistiu na aquisição de títulos pelos clientes em mercado secundário, com a promessa de recompra futura pelo BES, numa data predeterminada e a um preço predefinido, prometendo desta forma ao cliente, na maturidade do investimento, a recuperação do capital investido, assim como da rentabilidade acordada”, lê-se no site da CMVM.
 

Salgado omitiu ao fisco dois “offshore” nas Ilhas Caimão e no Panamá

O Ministério Público conseguiu reconstituir parte da 'lista' de pagamentos de offshores secretos do GES. Políticos portugueses e venezuelanos e gestores do BES e da PT estão referenciados.
O DCIAP tem como certo, ao que o Observador apurou, que o GES utilizou três sociedades offshore para executar pagamentos:
  1. A ES Enterprises I
  2. A ES Enterprises II
  3. A ES Services
De acordo com informações recolhidas pelo Observador junto de fontes da família Espírito Santo, existem quatro grupos de destinatários:
  1. Membros da família Espírito Santo, administradores e altos quadros do BES e do GES.
  2. Titulares de órgãos sociais de empresas participadas pelo BES e pelo GES.
  3. Titulares de cargos políticos em Portugal.
  4. Titulares de cargos políticos na Venezuela
Ricardo Salgado é suspeito da prática de seis crimes: burla qualificada, falsificação de documentos, falsificação informática, branqueamento, fraude fiscal qualificada e corrupção no setor privado.

Sem comentários:

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola