Número total de visualizações de página

domingo, 15 de novembro de 2015

Wikileaks: EUA armaram Estado Islâmico e se recusaram a ajudar Síria no combate ao grupo



Presidente Bashar al-Assad tentou se aproximar de Washington em 2010, mas governo Obama continuou armando seus opositores e grupos islâmicos

Os Estados Unidos se recusaram a ajudar o governo da Síria a combater grupos radicais islâmicos como a Al-Qaeda e o ISIS (Exército Islâmico do Iraque e da Síria, que recentemente mudou de nome para Estado Islâmico). Além disso, segundo revelações feitas pelo site Wikileaks, o governo norte-americano armou grupos como o ISIS. Os quase 3 mil documentos sobre essa questão foram vazados pelo site dirigido por Julian Assange na última sexta-feira (08/08).


Em 18 de fevereiro de 2010, o chefe da inteligência síria, general Ali Mamlouk, apareceu de surpresa em uma reunião entre diplomatas norte-americanos e Faisal a-Miqad, vice-ministro das relações exteriores da Síria. A visita de Mamlouk foi uma decisão pessoal de Bashar al-Assad, presidente sírio, em mostrar empenho no combate ao terrorismo e aos grupos radicais islâmicos no Oriente Médio, assinala o documento.



Neste encontro com Daniel Benjamin, coordenador das ações de contra-terrorismo dos EUA, “o general Mamlouk enfatizou a ligação entre a melhoria das relações EUA-Síria e a cooperação nas áreas de inteligência e segurança”, afirmam os diplomatas norte-americanos em telegrama destinado à CIA, ao Departamento de Estado e às embaixadas dos EUA em Líbano, Jordânia, Arábia Saudita e Inglaterra.



Para Miqad e Mamlouk, essa estratégia passava por três pontos: com o apoio dos EUA, a Síria deveria ter maior papel na região, a política seria um aspecto fundamental para ações de cooperação contra o terrorismo e a população síria deveria ser convencida dessa estratégia com a suspensão dos embargos econômicos contra o país. Para Imad Mustapha, embaixador sírio em Washington, “os EUA deveriam retirar a Síria da lista negra”. Nas palavras de George W. Bush, o país fazia parte do “eixo do mal”, junto com Coreia do Norte e Afeganistão.

Agência Efe

Armados pelos EUA, militantes do Estado Islâmico conseguiram lutar em cinco frente concomitantemente

Apesar da discordância entre EUA e Síria quanto ao apoio de Assad a grupos como Hezbollah e Hamas, os dois países concordavam quanto à necessidade de interromper o fluxo de guerrilheiros estrangeiros para o Iraque e impedir a proliferação de grupos radicais, como a Al-Qaeda, o ISIS e o Junjalat, uma facção palestina com a mesma orientação política. Para Benjamin, as armas chegavam ao Iraque e ao Líbano contrabandeadas pelo território sírio.


Mamlouk reforçou a “experiência síria em combater grupos terorristas”. “Nós não ficamos na teoria, tomamos atitudes práticas”, foram as palavras do chefe de inteligência de Assad. Segundo o general, o governo sírio não mata ou ataca imediatamente esses grupos. “Primeiro, nós nos infiltramos nessas organizações e entendemos o funcionamento delas”. De acordo com Damasco, “essa complexa estratégia impediu centenas de terroristas de entrarem no Iraque”.

Guerra do Iraque e surgimento do Estado Islâmico

No entanto, apesar de afirmarem cooperar com a Síria para combater o terrorismo, os EUA também trabalharam para armar os opositores sírios e isso causaria um problema maior na região: a criação do atual Estado Islâmico. Segundo documentos obtidos pelo jornal britânicoGuardian, grande parte do armamento utilizado pelo ISIS (antigo nome do Estado Islâmico) veio de grupos armados pelos EUA e cooptados por Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Califado Islâmico, que hoje controla territórios na Síria e no Iraque.

1 comentário:

LP1961 disse...

Mamlouk descreve métodos GID'S
 
6. (S / NF) O Director GID disse que a Síria tinha sido mais
bem sucedidos do que os países norte-americanos e outros na região em
lutando contra grupos terroristas porque "nós são práticos e não
teórico ". Ele afirmou sucesso da Síria é devido à sua
penetração de grupos terroristas. "Em princípio, nós não
atacar ou matá-los imediatamente. Em vez disso, incorporar-nos
neles e só no momento oportuno fazer nos movemos. "
Descrevendo o processo de plantio incorpora em terrorista
organizações como "complexo", disse Mamlouk o resultado teve
rendeu sido a detenção de dezenas de terroristas, carimbando
células terroristas para fora, e parar centenas de terroristas da
entrar no Iraque. Mamlouk reconheceu alguns terroristas foram
ainda escorregar para o Iraque da Síria. "Por todos os meios que vamos
continuar a fazer tudo isso, mas se começarmos a cooperação com você
ele irá levar a resultados melhores e podemos proteger melhor nosso
interesses ", concluiu.
 
7. (S / NF) De acordo com Mamlouk, experiência anterior da Síria
em cooperar com os EUA em inteligência "não foi feliz
um. "Ele afirmou Síria esperava qualquer cooperação futura seria
"em pé de igualdade." Mamlouk especificado isso significava Síria
devem ser autorizados a "assumir a liderança" na luta contra o terrorismo
esforços. Aludindo à "riqueza de informações" A Síria tem
obtido enquanto penetrante grupos terroristas, declarou Mamlouk
"temos muita experiência e sabe que esses grupos. Esta é
nossa área, e nós sabemos disso. Estamos no terreno, e por isso,
deve assumir a liderança ".

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola