Número total de visualizações de página

sábado, 30 de novembro de 2013

Uma das melhores anedota



O  P. Coelho foi à festa de um empresário importante mas, ao chegar à enorme mansão, foi barrado pelo segurança.

- Desculpe, senhor, mas sem convite não posso deixá-lo entrar.

- Mas, eu sou o Passos, o Primeiro Ministro!

- Então, mostre-me os seus documentos.

- É que também não tenho os documentos, esqueci-me da carteira.

- Desculpe-me, mas não vou poder deixá-lo entrar!

- O quê? O senhor nunca me viu na TV? Olhe bem para a minha cara!

- De facto, o senhor é muito parecido com o Primeiro Ministro, mas sabe como é... existem muitos sósias do Passos por aí... O senhor vai ter de provar que é realmente o Passos Coelho.

- Mas o que quer que eu faça?

- O Senhor é que sabe! O Cristiano Ronaldo também se esqueceu dos documentos, eu dei-lhe uma bola de futebol e ele fez uma demonstração que logo me convenceu.

A Mariza também se esqueceu dos documentos e fez uma demonstração a cantar fado que provou ser quem dizia ser.

Porra, mas eu não sei fazer nada!

- Desculpe-me pelo inconveniente causado, Sr. Primeiro Ministro. Faça o favor de entrar.

Alternativas



image001image002
image003image004



--

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

SUBSÍDIOS DE FÉRIAS E DE NATAL DOS DEPUTADOS PARA 2014 AUMENTAM 91,8%!

Foi publicado em Diário da República em Outubro......

SUBSÍDIOS DE FÉRIAS E DE NATAL DOS DEPUTADOS   PARA 2014 AUMENTAM 91,8%!  A notícia é mesmo verdadeira e vem no Diário da República.  O orçamento para o funcionamento da Assembleia da República foi já aprovado em 25 de Outubro passado, fomos ver e notámos logo, contudo já sem surpresa, que as despesas e os vencimentos previstos com os deputados e demais pessoal aumentam para 2014.  Mais uma vez, como é já conhecido e sabido, a Assembleia da República dá o mau exemplo do despesismo público e, pelos vistos, não tem emenda.  Em relação ao ano em curso de 2013, o Orçamento para o funcionamento da Assembleia da República para 2014 prevê um aumento global de 4,99% nos vencimentos dos deputados, passando estes de 9.803.084 € para 10.293.000,00 €.  Mais estranho ainda é a verba relativa aos subsídios de férias de natal que, relativamente ao orçamento para o ano de 2013, beneficia de um aumento de 91,8%, passando, portanto, de 1.017.270,00 € no orçamento relativo a 2013 para 1.951.376,00 € no orçamento para 2014 (são 934.106,00 € a mais em relação ao ano anterior!).  Este brutal aumento não tem mesmo qualquer explicação racional, ainda assim fomos consultar a respetiva legislação para ver a sua fórmula de cálculo e não vimos nenhuma alteração legal desde o ano de 2004, pelo que não conseguimos mesmo saber as causa e explicação para tanto..  Basta ir ao respetivo documento do orçamento da Assembleia da República para 2014 e, no capítulo das despesas, tomar atenção à rubrica 01.01.14, está lá para se ver.  Já as despesas totais com remunerações certas e permanentes com a totalidade do pessoal, ou seja, os deputados, assistentes, secretárias e demais assessores, ao serviço da Assembleia da República aumentam 5,4%, somando o total € 44.484,054.  Os partidos políticos também vão receber em 2014 a título de subvenção política e para campanhas eleitorais o montante de € 18.261.459.  Os grupos parlamentares ainda recebem uma subvenção própria de 880.081,00 €, sendo a subvenção só para despesas de telefone e telemóveis a quantia de 200.945,00 €.  É ver e espantar!  Caso tenham dúvidas é só consultarem o D.R., 1.ª Série, n.º 226, de 21/11/2013, relativo ao orçamento de 2014, e o D.R., 1.ª Série, n.º 222, de 16/11/2012, relativamente ao orçamento de 2013.  por Sérgio Passos  http://euacuso.blogs.sapo.pt/  

SUBSÍDIOS DE FÉRIAS E DE NATAL DOS DEPUTADOS PARA 2014 AUMENTAM 91,8%!  

A notícia é mesmo verdadeira e vem no Diário da República. O orçamento para o funcionamento da Assembleia da República foi já aprovado em 25 de Outubro passado, fomos ver e notámos logo, contudo já sem surpresa, que as despesas e os vencimentos previstos com os deputados e demais pessoal aumentam para 2014.
Mais uma vez, como é já conhecido e sabido, a Assembleia da República dá o mau exemplo do despesismo público e, pelos vistos, não tem emenda.
Em relação ao ano em curso de 2013, o Orçamento para o funcionamento da Assembleia da República para 2014 prevê um aumento global de 4,99% nos vencimentos dos deputados, passando estes de 9.803.084 € para 10.293.000,00 €. Mais estranho ainda é a verba relativa aos subsídios de férias de natal que, relativamente ao orçamento para o ano de 2013, beneficia de um aumento de 91,8%, passando, portanto, de 1.017.270,00 € no orçamento relativo a 2013 para 1.951.376,00 € no orçamento para 2014 (são 934.106,00 € a mais em relação ao ano anterior!).
Este brutal aumento não tem mesmo qualquer explicação racional, ainda assim fomos consultar a respectiva legislação para ver a sua fórmula de cálculo e não vimos nenhuma alteração legal desde o ano de 2004, pelo que não conseguimos mesmo saber as causa e explicação para tanto.. Basta ir ao respectivo documento do orçamento da Assembleia da República para 2014 e, no capítulo das despesas, tomar atenção à rubrica 01.01.14, está lá para se ver.
Já as despesas totais com remunerações certas e permanentes com a totalidade do pessoal, ou seja, os deputados, assistentes, secretárias e demais assessores, ao serviço da Assembleia da República aumentam 5,4%, somando o total € 44.484,054.
Os partidos políticos também vão receber em 2014 a título de subvenção política e para campanhas eleitorais o montante de € 18.261.459. Os grupos parlamentares ainda recebem uma subvenção própria de 880.081,00 €, sendo a subvenção só para despesas de telefone e telemóveis a quantia de 200.945,00 €.
É ver e espantar!
Caso tenham dúvidas é só consultarem o D.R., 1.ª Série, n.º 226, de 21/11/2013, relativo ao orçamento de 2014, e o D.R., 1.ª Série, n.º 222, de 16/11/2012, relativamente ao orçamento de 2013. por Sérgio Passos http://euacuso.blogs.sapo.pt/

Carta aberta ao Dr. Mário Soares

Carta aberta ao Dr. Mário Soares 

Aí vai o meu desabafo! Desculpem os que não concordarem, mas ando um bocadinho "farta " desta palhaçada!!!!!

Carta aberta ao Sr. Dr. Mário Soares.
Farei 67 anos em Janeiro. Nasci em África (Angola) onde passei os melhores anos da minha vida.
Nasci, felizmente numa família cheia de valores e que souberam transmitir, a mim e aos meus irmãos, o respeito, a educação, a aceitação de opiniões, credos e culturas diferentes.

Numa palavra os verdadeiros fundamentos duma DEMOCRACIA.

Embora os meus Pais tenham sido tudo menos “colonizadores”, também tiveram que suportar os efeitos da descolonização.... (Nesta coisas como se costuma dizer, paga o justo pelo pecador). E como não tinha havido transferência de valores para Portugal (pelo contrário vendeu-se o que havia aqui para investir em Angola....) viemos todos para Portugal. e como todos os outros tivemos que sofrer as agruras de uma adaptação. Houve que começar do zero....
Foi difícil mas conseguimos......
Eu fui para a Covilhã, terra da família do meu marido.
Quando da manifestação da Alameda, vim a Lisboa num acto de reconhecimento pela sua actuação. (Note que não gravito na área da sua esfera política).
Achei a sua atitude fantástica!
Verdadeiramente democrática! Impedir uma ditadura de esquerda, que EFECTIVAMENTE não tinha a adesão da maioria do povo português.

Esse facto levou-me a ficar-lhe grata.

Os tempos, afinal, têm vindo a provar que eu estava errada a seu respeito.
O Senhor naquela altura tomou todas aquelas decisões, não pelo Povo Português, mas por si.

O poder era para si e não para Álvaro Cunhal!!!!!
E conseguiu...... Parabéns

Governou e gastou como quis!!!!! Lembra-se dos anos 80? Peça a alguém que lhe leia as suas declarações dessa altura....acerca da necessidade de apertar o cinto.....o do POVO, claro!!!!!

 Depois foi Presidente da República.
Deve ter sido fantástico andar a passear pelo mundo e de camelo, tartaruga..... à custa do erário público..... Quem não gosta???? E O sr. fê-lo muiiiiiiiiiiitas vezes. Terão sido todas necessárias?
Duvido!!!!

Entretanto nunca prescindiu de todas as mordomias a que “acha” que tem direito...

Carro, gasolina, segurança, reformas, e até conseguiu organizar 2 fundações com apoios camarários e estatais.
É obra!!!! Pena que não seja em prol do tal POVO, em nome de quem fala sempre, e seja SÓ em proveito próprio!

Se tivesse ouvido o tal POVO saberia que “a roupa suja se lava em casa”.....
Mas está tão cheio de si que já nem ouve....só debita!!!!!
Por isso é que tenho aprendido, nas suas declarações a alguns jornalistas que ainda continuam a ouvi-lo.... Vá-se lá saber porquê....., que a final desconhece completamente o significado da palavra DEMOCRACIA Pode-se gostar e concordar, ou não.

Pode ser mais fácil ou difícil de engolir, mas os governos (Assembleia da República) que estão a governar a Europa foram DEMOCRATICAMENTE ELEITOS e há que respeitar isso.

Os Presidentes da República também!
Não concorda? Está no seu pleno direito!
Não fazia assim? Está no seu pleno direito Acha que não leva a parte nenhuma? Está no seu pleno direito.
Criticar o Ministro dos Negócios Estrangeiros por ele pôr em cheque Portugal no Estrangeiro. Concordo consigo!
Mas afinal porque é que depois de tanto criticar se sente no direito de fazer a mesma coisa? A sua intervenção última foi um perfeito
desastre! Dizer que o seu compatriota Durão Barroso quer dinheiro......
Por favor Dr. Mário Soares... tenha categoria. É fundamental na política. Nunca lhe disseram?
Poderia apontar-lhe “n” casos na sua esfera política mas não desço ao seu nível.
Só posso arranjar uma explicação e também ela infelizmente muito portuguesa.....INVEJA!

É que apesar de todos os esforços negativos da esquerda, a economia começou a mexer, os mercados também, as exportações, desemprego a diminuir...

São décimas! Pois são! Mas São!!!! E isto já não acontecia há tanto tempo......

Só me ocorre um comentário....
PARIS faz mal aos políticos do PS!!!!!

Ana Valentim Terenas

Lisboa, 14 de Novembro de 2013


E......ainda falta aí tanta coisa para dizer deste Sr.

Algumas verdades








quinta-feira, 28 de novembro de 2013

TODOS OS DIÁRIOS DO MUNDO NA INTERNET

TODOS OS DIÁRIOS DO MUNDO NA INTERNET.... FANTÁSTICO ...!!!
Ao abrir a página, os jornais aparecem como na banca do jornaleiro.
Jornais do dia. é só escolher aquele que quer ler,  seja nacional ou estrangeiro.
Clique no "link".
Boa leitura
.

DECLARAÇÃO DO IRS.


Administração Local Autarcas 'dinossauros' embolsam subsídio baseado em lei extinta

Administração Local Autarcas 'dinossauros' embolsam subsídio baseado em lei extinta
Vários autarcas já aposentados vão auferir de verbas consagradas por uma lei que foi extinta em 2005, avança a edição desta quinta-feira do Jornal de Notícias. Trata-se de um subsídio de reintegração, que o ex-presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses, Fernando Ruas, aprovou poucos dias depois das eleições autárquicas, tendo, por sinal, solicitado essa verba enquanto antigo presidente da Câmara de Viseu.
PAÍS
Autarcas 'dinossauros' embolsam subsídio baseado em lei extinta
DR
Estão reformados mas vão encaixar uma verba extra nas suas carteiras. Falamos de autarcas ‘dinossauros’ que abandonaram funções após as últimas eleições de 29 de Setembro, e que solicitaram um subsídio de reintegração pago com base numa lei extinta em 2005, revela o Jornal de Notícias.

domingo, 24 de novembro de 2013

A MAÇONARIA EM PORTUGAL.

Para que serve a Maçonaria? Para ajudar snobs ricos com o dinheiro dos pobres?
 

Aos maçons nunca lhes faltará dinheiro, tachos, alojamento económico, impunidade, emprego e outros luxos que milhões de portugueses nem ousam ambicionar. Um país devastado pela mentalidade triste de um punhado de snobs que acham que o dinheiro do estado serve para ajudar os ricos e não os necessitados. Tantas famílias produtivas e trabalhadoras, sem tecto e sem comida, mas os maçons/politicos optam por esbanjar em causas mais nobres. O dinheiro dos nossos impostos serve para oferecer boas casas, a preço de pobres, aos ricos. Este não é um caso único, mas é exemplar.
"Durante nove anos, o conhecido chef Michel da Costa, que esteve preso preventivamente foi inquilino de espaçosas instalações que lhe foram cedidas pela Câmara de Lisboa a preços sociais.
 Emidio Rangel com reforma de 27 mil euros, desde os 57 anos. 

 
Clik aqui

Eanes - «Não foi um acto de alegria mas um acto de necessidade.»

Foi um dos militares que nos devolveram a liberdade, principal operacional do 25 de Novembro, que a estabilizou, e evitou uma guerra civil. A síntese desse dia foi escrita, um ano depois, pela grande escritora Maria Velho da Costa: «Não foi um acto de alegria mas um acto de necessidade.» Eanes será homenageado na próxima segunda-feira.

Primeiro Presidente da República em democracia, em tempos conturbados, direita e esquerda votaram nele por colagem às circunstâncias mas rangendo os dentes. Sá Carneiro, Mário Soares ou Álvaro Cunhal simbolizam isso. No Palácio de Belém foram anos de austeridade financeira.

Apadrinhou e distanciou-se do PRD, mas foi ele a nomear uma mulher primeira-ministra, Lurdes Pintasilgo, décadas antes de Thatcher ou Merkel.

Quando saiu de Presidente, recusou o bastão de marechal e foi tratado com miserável vilania, por trastes, nos seus direitos. Quando rectificaram, prescindiu de 1 milhão de euros em retroactivos. Não conheço outro caso.

Fiz a cobertura da sua campanha de reeleição em 1980. Tímido e reservado provocava (me) um certo distanciamento. Terei trocado meia dúzia de palavras com ele. Não posso testemunhar, pois, como me dizem, o seu enorme sentido de humor. Nunca conseguiu lidar com o espectáculo político-mediático, com um discurso cerrado e pouco acessível. Recusou o populismo e a simpatia fácil. Se em República houvesse cognomes, seria "o Íntegro". E, Presidente, isso todos os portugueses lhe reconhecem.

Jornalista/advogada


Paulo Morais, esmiuça privatização dos CTT

A privatização anunciada dos CTT é, por si só, uma má notícia. Mas a forma como está a ser conduzida é uma catástrofe.

Os correios não devem ser privatizados. Constituem uma garantia de coesão territorial, pois são a única rede pública verdadeiramente disseminada por todo o país. Só uma gestão pública poderá manter esta característica. Com os privados, balcões deficitários encerrarão, mesmo que tenham relevante função social.
Além do mais, as competências atribuídas aos CTT conferem-lhes posição de monopólio. São os CTT que atestam, por exemplo, os registos e legitimam as comunicações de requerentes com a Administração Pública. E os detentores de algum tipo de monopólio não devem, por princípio, ser privatizados.
Não é por acaso que os correios são públicos na maioria dos países da Europa, ou até nos Estados Unidos.
Os monopólios privados sempre foram lesivos do interesse dos consumidores. Assim foi com a PT, com a EDP, e assim será certamente com os CTT privatizados. Sem regulação eficaz, os serviços serão piores e mais caros e anteveem-se até apoios artificiais, como novas obrigatoriedades de pagar registo em comunicações com o estado.
Mas se o governo quer privatizar, pelo menos que o faça de modo transparente. A forma anunciada de dispersão do capital é estranha. Um leilão competitivo em bolsa é aceitável. Já não se compreende é a venda direta a instituições financeiras para que o disseminem no mercado, garantindo, assim, comissões aos bancos e a entrega do capital a posteriori a determinados grupos sem qualquer escrutínio público.
Acresce que o governo dá sinais contraditórios: enquanto o ministro Pires de Lima justifica e defende o encerramento de balcões, o seu colega de governo, Poiares Maduro, profetiza a reabertura dos mesmos. Para baralhar ainda mais, o governo anuncia a colocação de "balcões (públicos) do cidadão" nos correios, serviço pelo qual o estado terá de pagar indemnizações compensatórias, num modelo de parceria público-privada dissimulada. 
Esta privatização, com um sistema de colocação de capital obscuro, vítima de informações contraditórias e cujo modelo de negócio é alterado à última da hora, vai ser uma trapalhada.


Alterações ao «Código da Estrada






Bento Kangamba sobrinho de ZéDú, é Vizinho de Cristiano Ronaldo em Madrid

Inline
                                                          image 1
Bento Kangamba sobrinho de ZéDú, é Vizinho de Cristiano Ronaldo em Madrid
O general Bento dos Santos “Kangamba”, secretário do Comité Provincial de Luanda do MPLA para a Organização e Mobilização Periférica e Rural, adquiriu recentemente uma residência no mais luxuoso e exclusivo condomínio de Espanha, La Finca. A urbanização está situada na localidade de Pozuelo de Alarcón, a 8 quilómetros de Madrid.
 
Em La Finca, os preços por cada mansão rondam até os 12 milhões de euros. Não há informação pública sobre quanto o referido general terá pago pela sua propriedade ou como.
 
Um analista, conhecedor da transacção, suspeita que o imóvel adquirido por Bento Kangamba seja para uma alta figura do regime, interessada numa eventual fuga ou reforma em Espanha.
 
Segundo o diário El Confidencial, de Espanha, o Condomínio La Finca, com vários lagos artificiais, é “um dos búnkeres mais glamorosos e selectos jamais sonhados, a milha de ouro do século 21, o espaço onde se podem encontrar mais celebridades e fortunas por metro quadrado”.
 
Em áreas verdes, a urbanização tem um total de 844.100 metros quadrados. El Confidencialdescreve La Finca, como o maior provedor de privacidade no país, para “figuras, tanto públicas como desconhecidas, de marcado poder aquisitivo”. Com detectores infravermelhos, o condomínio “é uma autêntica jaula de ouro, sobre a qual se sabe ou conhece pouco, ou muito pouco”, refere a publicação.
 
Na urbanização La Finca residem futebolistas do Real Madrid, como Cristiano Ronaldo, Káká, Benzema, Iker Casillas; os actores Javier Bardem, Penélope Cruz e Paz Vega, assim como o cantor Alejandro Sanz.
 
Em Lisboa, o general Bento Kangamba adquiriu recentemente uma penthouse de luxo, por cerca de dois milhões de euros, em nome do seu sogro, Avelino dos Santos, irmão mais velho do presidente José Eduardo dos Santos. O apartamento está localizado na urbanização Jardins do Cristo-Rei, em Moscavide, a poucos minutos da zona da Expo. Na referida urbanização têm também apartamentos o governador do Kwanza-Sul, general Eusébio Teixeira de Brito, o general Arnaldo Antas e mais algumas figuras do regime angolano.
 
Sonangol e as Empregadas Domésticas de Manuel Vicente
O vice-presidente da República, Manuel Domingos Vicente, continua a receber anualmente, da Sonangol, a soma de US $43,212 para o pagamento das suas empregadas domésticas.
Em Janeiro de 2012, o presidente José Eduardo dos Santos exonerou Manuel Vicente do cargo de presidente do conselho de administração da Sonangol. Nomeou-o, de seguida, para o Ministério da Coordenação Económica, com a categoria de ministro de Estado. O ministério, criado para acomodar Manuel Vicente, foi extinto com  a sua promoção a vice-presidente, em Setembro de 2012.
Manuel Vicente, para além das mordomias que recebe enquanto vice-presidente, é um dos homens mais ricos de África. O império de negócios que partilha com os generais Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa” e Leopoldino Fragoso do Nascimento, o testa-de-ferro de José Eduardo dos Santos, basta para conferir a Manuel Vicente o estatuto de bilionário.
Porquê um bilionário, com o poder de vice-presidente num dos países mais corruptos do mundo, precisa de violar a legislação em vigor para pagar empregadas domésticas?
O gabinete de Manuel Vicente inclui um departamento de economato e de apoio à residência oficial do vice-presidente. O Estado paga por todo o pessoal de serviço doméstico requisitado pelo vice-presidente no âmbito das suas funções oficiais e de representação da República de Angola. Como bilionário, conhecido por gastar milhares de euros por cada garrafa de vinho Petrus, Manuel Vicente tem, além da obrigação, todas as possibilidades de pagar por quantas empregadas domésticas tiver ou necessitar nas suas várias residências privadas.
A resposta é simples. A ganância, o espírito de pilhagem dos fundos e do património de Estado, a falta de quaisquer princípios morais e éticos, a arrogância e o abuso de poder não encontram limites no comportamento de Manuel Vicente e dos outros dirigentes da mesma estirpe.
O vice-presidente viola o princípio da probidade pública ao beneficiar, ilicitamente, de ofertas mensais de uma empresa pública, em moeda estrangeira. O referido dirigente compromete a sua independência e isenção e põe, assim, em causa “a independência do seu juízo e a credibilidade e autoridade da administração pública dos seus órgãos e serviços”, conforme estabelecido pela Lei da Probidade Pública.
No entanto, Manuel Vicente não é o único dirigente do executivo de José Eduardo dos Santos a usar o expediente do pagamento de empregadas domésticas para amealhar mais uns tostões à custa da Sonangol. O antigo director-geral adjunto da Sonangol e actual secretário de Estadopara as Novas Tecnologias e Qualidade Ambiental, Syanga Kuvuila Samuel Abílio, continua a receber anualmente, da Sonangol, um total de US $38,999 como “subsídio de apoio para as actividades domésticas”.
O actual vice-presidente Manuel Vicente foi director-geral adjunto da Sonangol, de 1991 a 1999. Nos 13 anos seguintes exerceu as funções de presidente do conselho de administração e director-geral da petrolífera nacional.
Periodicamente, Manuel Vicente envia, a França e Portugal, um avião executivo (o luxuoso Falcon-900 ou o sofisticado Falcon X-7), como cargueiro para o transporte exclusivo dos seus vinhos e conhaques. Os voos são operados pela VipAir, uma empresa comparticipada pela Sonangol, e passageiros não são permitidos durante as referidas viagens. Em Paris, a tripulação do Falcon-900, em missão de transporte dos vinhos e conhaques de Manuel Vicente, não teve autorização para transportar outra tripulação da VipAir que se deslocou à capital francesa com o objectivo de entregar um outro Falcon à revisão. Como justificação, o encarregado do candidato do MPLA informou à tripulação sobre a escala à Lisboa, em busca de outros vinhos. Algumas das garrafas de vinho Petrus, adquiridas em Paris, são reservadas apenas a multimilionários. O Petrus 1989 Magnum custa cerca de 9,700 euros, enquanto o Petrus 1990 Magnum atinge os 11,000 euros por garrafa. Já o conhaque regular de Manuel Vicente, o Rémy Martin Louis XIII, custa em média 2,500 euros, enquanto as garrafas especiais, da mesma marca e também ao gosto do dirigente angolano, custam acima dos 8,000 euros.
 
Kero: o Supermercado do Manuel VicenteInline
                                                          image 2
 
O Hipermercado Kero, considerado o maior de Angola, bem pode ser considerado como o modelo de investimento privado para a melhoria da oferta e da qualidade de bens de consumo aos cidadãos.
A funcionar há cerca de um ano no Bairro Nova Vida, em Luanda, o Hipermercado Kero também é um modelo na eliminação das fronteiras entre o público e o privado, por parte dos principais dirigentes angolanos que são, ao mesmo tempo, os principais empresários privados nacionais.
Em entrevista ao Semanário O País, o director-geral do Kero, o brasileiro João Santos, revelou o montante investido por um grupo de empresários angolanos em consórcio com o Banco Privado Atlântico: “Os US$35 milhões assentam num misto de capitais próprios e nos recursos libertos em resultado da parceria com o Atlântico”. O hipermercado tem uma área de 7,500 metros quadrados de espaço de superfície e uma área total de 11,000 metros quadrados e já abriu uma segunda loja no Condomínio Cajú, em Talatona.
Recentemente, a 10 de Dezembro, a ministra do Comércio, Idalina Valente, inaugurou o terceiro empreendimento do Kero, na nova Centralidade do Kilamba. O referido projecto habitacional é o maior do país e esteve a cargo do Gabinete de Reconstrução Nacional, sob comando do General Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa”. Actualmente o projecto é gerido pela Sonangol, dirigida por Manuel Vicente.
Apesar de toda a publicidade que a abertura deste grande empreendimento gerou ao nível da comunicação social e dos outdoors espalhados por várias artérias de cidade de Luanda, há apenas uma breve referência à empresa Zahara como proprietária do projecto.
Uma breve investigação realizada por Maka Angola revela que a Zahara é uma das muitas empresas pertencentes ao império do Grupo Aquattro International S.A. que controla 99,96% do seu capital.
Este grupo, que nos últimos três anos se tornou no maior polvo da economia política nacional, é propriedade exclusiva de três indivíduos: o Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Manuel Vicente; o ministro de Estado e Chefe da Casa Militar do Presidente da República, General Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa”; e seu principal consultor, o General Leopoldino Fragoso do Nascimento.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

O BARBEIRO


O florista foi ao barbeiro para cortar seu cabelo. Após o corte perguntou ao barbeiro o valor do serviço e o barbeiro respondeu:
- Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.

O florista ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um buquê com uma dúzia de rosas na porta e uma nota de agradecimento do florista.

Mais tarde no mesmo dia veio umpadeiro para cortar o cabelo. Após o corte, ao pagar, o barbeiro disse:
- Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O padeiro ficou feliz e foi embora.
No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um cesto com pães e doces na porta e uma nota de agradecimento do padeiro.

Naquele terceiro dia veio um deputado para um corte de cabelo.
Novamente, ao pedir para pagar, o barbeiro disse:
- Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O deputado ficou feliz e foi embora.
No dia seguinte, quando o barbeiro veio abrir sua barbearia, havia uma dúzia de deputados fazendo fila para cortar cabelo.
Essa é a diferença entre os cidadãos e os políticos.

"Os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente e pela mesma razão."

(Eça de Queiróz)

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola