Número total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de maio de 2010

O Covil

O Covil


Ministério da Educação - Avenida 5 de Outubro - Lisboa
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães


"O covil apresentou-se belo, sóbrio, charmoso, atractivo, etéreo, até mesmo poético e com um não sei o quê de oriental.
Quem o vê assim, do exterior, ainda antes da concentração dos manifestantes-professores que não baixam os braços duma luta que se prolongará pelo tempo que eles quiserem, não adivinhará, por certo, o que este edifício encarna e representa para a esmagadora maioria dos docentes deste país: a cabeça do polvo nefasto não sei se está de regresso a terras de Portugal, quanto às pernas, tentaculares, essas saem deste edifício da 5 de Outubro e chegam a cada escola, por mais remoto que seja o sítio onde se encontra edificada, amarfanhando cada professor dentro dela, fazendo dele gato sapato, sem qualquer respeito pelo indivíduo que existe dentro de cada zeco e de cada zeca.
Não esquecemos. E não perdoamos."[directamente daqui]

Jornalista avisou para tragédia através do Twitter



Jornalista avisou para tragédia através do Twitter

O repórter espanhol David Segarra, que estava a bordo de um dos barcos da frota humanitária, relatou, em directo, pelo Twitter, o ataque e lançou um pedido de socorro à comunidade internacional.

Com David Segarra, seguiam ainda num dos barcos turcos mais dois cidadãos espanhóis que se encontram bem e aguardam a sua repatriação para Espanha a qualquer momento.

O jornalista David Segarra recorreu à sua página de Twitter para alertar o Mundo: “Os três barcos aproximam-se lentamente. Toda a frota pede à comunidade internacional para intervir antes que haja uma tragédia”.

A última mensagem de Segarra foi: "Confirmado: há pelo menos dois navios israelitas e helicópteros a seguir a frota rumo a Gaza. Os seis barcos estão bem e seguem a rota".


  1. Israel alega legítima defesa no ataque a barco de ajuda humanitária a Gaza

Morreu músico argentino Rúben Juárez-Hoje

Pode ouvir aqui [RJ]

Pode ver aqui ver aqui a sua vida [RJ]

Rubén Juárez fue un bandoneonista y cantautor argentino de tangos.

Nació el 5 de noviembre de 1947 en Ballesteros (provincia de Córdoba) y creció en Avellaneda (en la zona sur del Gran Buenos Aires). Estudio bandoneón desde los 6 años. En 1956 (a los 9 años) ingresó en la Orquesta Juvenil del Club Independiente. En su adolescencia, el estudio paralelo de guitarra lo llevó a integrar varios conjuntos de rock.

Algunos años después conoció al guitarrista Héctor Arbello, quien había tocado junto a Julio Sosa. Formaron un dúo con el que empezaron a hacer giras por el interior del país.

En 1969 (a los 22 años), por intermedio de Lucio Demare, Rubén Juárez llegó a la boite Caño 14, donde su debut fue categórico y consagratorio.

Cuando el bandoneonista Aníbal Troilo fue a escucharlo por primera vez, Rubén Juárez le pidió a Pichuco que fuera su padrino artístico.

El 2 de junio de 1969 grabó su primer tema en la discográfica Odeón, Para vos, canilla, que fue un éxito inmediato. Un año después fue convocado por Nicolás Mancera para cantar en su ciclo televisivo Sábados Circulares de Mancera, que lo hizo famoso.

Desde entonces ha actuado en los lugares más importantes de Argentina y del extranjero y ha grabado con figuras de la talla de Armando Pontier, Charly García, Pedro Aznar, Leopoldo Federico, Raúl Garello, Litto Nebbia, el guitarrista Roberto Grela y José Colángelo.Entre los músicos que actúan con Rubén en la actualidad se encuentran el maestro Raúl Luzzi que ya lo había hecho en la década del 70, Cristian Zárate, Pablo Agri, Daniel Naka y Horacio Romo.

Falleció producto de una larga dolencia, el 31 de mayo de 2010, en la ciudad de Buenos Aires.

Portucale: Arguidos vão todos a julgamento


Telmo Correia, Costa Neves e Luís Nobre Guedes
não foram acusados da prática de qualquer crime.

ESTA A RIR ....É VERDADE ENTÃO VEJA [AQUI]


O Tribunal Central de Instrução Criminal de Lisboa decidiu enviar para julgamento os 11 arguidos do processo Portucale, relacionado com o abate de sobreiros, uma espécie florestal protegida por lei.

Assim, na fase de instrução do processo, o juiz Carlos Alexandre confirmou na íntegra o despacho de acusação do Ministério Público (MP).

Os 11 arguidos são: Abel Pinheiro, Carlos Calvário, José Manuel de Sousa e Luís Horta e Costa (estes três ligados ao Grupo Espírito Santo), António de Sousa Macedo (ex-director geral das Florestas), Manuel Rebelo (ex-membro da Direcção Geral das Florestas), António Ferreira Gonçalves (ex-chefe do Núcleo Florestal do Ribatejo), Eunice Tinta, João Carvalho, Teresa Godinho e José António Valadas.

O caso Portucale relaciona-se com o alegado abate ilegal de sobreiros numa herdade em Benavente, para o arranque de um projetco turístico-imobiliário da empresa Portucale, do Grupo Espírito Santo.

No debate instrutório, José António Barreiros, advogado do principal arguido, Abel Pinheiro, pediu que o ex-dirigente do CDS-PP não fosse pronunciado, alegando não haver provas de que tenha cometido os crimes de que está acusado, designadamente tráfico de influências e falsificação de documentos.

O CDS/PP, que é assistente no processo, também discordou do Ministério Público, considerando que, durante a instrução, não ficou provado que os funcionários do partido que foram constituídos arguidos tenham cometido os crimes de que são acusados.

O caso Portucale está relacionado com um despacho assinado por Luís Nobre Guedes (ex-ministro do Ambiente), Carlos Costa Neves (ex-ministro da Agricultura) e Telmo Correia (ex-ministro do Turismo), no Governo PSD/CDS-PP, poucos dias antes das eleições legislativas de 2005 e que permitiu à Portucale proceder ao abate de mais de dois mil sobreiros na Herdade da Vargem Fresca.

Luís Nobre Guedes, Costa Neves e Telmo Correia não foram acusados da prática de qualquer crime.


A GRANDE NOVIDADE : SABEM QUAL É? POIS NENHUM DOS POLITICOS FOI ACUSADO, AFINAL O FINAL É SEMPRE O MESMO.

Conselho de Escolas propõe reorganizar ciclos



Projecto do órgão consultivo do Governo deve ser entregue à ministra da Educação até final do ano lectivo

00h30m ALEXANDRA INÁCIO

O Conselho de Escolas vai propor à ministra da Educação a reorganização dos ciclos de ensino em três ciclos de quatro anos cada. O projecto vai ser debatido hoje, segunda-feira, no plenário do órgão consultivo do ME, e Álvaro Almeida dos Santos conta com a sua aprovação.

"Não passa de uma proposta" e pretende responder ao "desafio" colocado pelo alargamento da escolaridade obrigatória de 12 anos, começou por sublinhar ao JN o presidente do Conselho de Escolas (CE), Álvaro Almeida dos Santos. O documento, que pode ser aprovado hoje, no plenário realizado no Centro de Caparide, em Cascais, será entregue à ministra da Educação até final do ano lectivo. E, a ser aceite pela tutela "obrigaria à alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo", reconhece o director da Secundária de Valadares.

O órgão consultivo do Ministério da Educação (ME), criado na anterior legislatura por Maria de Lurdes Rodrigues, criou um grupo de trabalho para analisar a revisão curricular.

Uma vez que a tutela pretende introduzir "ajustamentos" aos currículos nacionais, o CE optou por não se pronunciar sobre a eliminação de disciplinas ou a transformação de cadeiras anuais em semestrais - possibilidade já admitida pela ministra Isabel Alçada em relação à História e à Geografia. Sobre esse assunto, Álvaro Almeida dos Santos, defende que as escolas deviam ter "margem de autonomia" para gerirem os currículos de acordo com a sua população estudantil; "sem acréscimos de recursos, é claro", especialmente em tempos de crise, frisou, mas de forma a conseguirem "rentabilizar as aprendizagens" dos alunos.

"Secundário inferior e superior"

A reorganização dos ciclos de ensino em três ciclos de quatro anos cada implicaria mudanças ao nível dos actuais 2º e 3º ciclos e secundário.

Apesar dessa nova organização, Álvaro Almeida dos Santos considera que a proposta garante maior "sequencialidade e coerência curricular" ao longo dos 12 anos de escolaridade obrigatória.

Assim, além do 1º ciclo (que se mantinha com a mesma estrutura de quatro anos), os restantes actuais três ciclos de ensino seriam convertidos em dois: "secundário inferior e secundário superior".

No caso do secundário superior (equivalente ao período do 9º ao 12º anos), "começava por uma fase, que pode ser de um ano, de tronco comum, prosseguindo, depois, os alunos para a possibilidade de diversificarem entre áreas científicas ou profissionalizantes".

Com o alargamento da escolaridade obrigatória, "o ensino secundário não pode ficar refém do ensino Superior" e tornar-se num "mero patamar de passagem" até esse nível. A preservação da "identidade do ensino secundário" é, por isso, uma prioridade para Álvaro Almeida dos Santos.

A proposta, insistiu, não será pormenorizada; "serão linhas gerais". "Temos noção de que há outras medidas que confluem para esta área" e que esta proposta não esgota a revisão curricular - a revisão da carga horária dos alunos e até a atribuição do serviço docente também podem ser abrangidos pela discussão que o Conselho quer promover no sector, a um mês de ir a votos.

PS aprova apoio a Alegre com 10 votos contra

Manuel Alegre (Nelson Garrido/arquivo)
O apoio do PS à candidatura presidencial de Manuel Alegre foi hoje aprovada com apenas 10 votos contra e uma abstenção.

A proposta de apoio à candidatura de Manuel Alegre partiu do secretário geral do PS, José Sócrates. “O PS é um partido de responsabilidade” e “não se abstém” perante as principais decisões, afirmou José Sócrates, citado por um dos presentes na reunião.

Com estas palavras, José Sócrates afastou a tese da corrente que defendia que o PS não deveria apoiar nenhum candidato nas eleições presidenciais, dando liberdade de voto aos seus militantes.

Em relação à candidatura de Manuel Alegre, Sócrates declarou que o seu partido e o candidato partilham um valor comum: “o do progressismo”.

Assis afasta sanções disciplinares para militantes anti-Manuel Alegre
O líder parlamentar do PS salientou a ampla maioria com que o seu partido decidiu apoiar a candidatura de Manuel Alegre, mas advertiu que não poderão fazer-se leituras políticas globais em torno dos resultados das eleições presidenciais. “As eleições presidenciais não serão em nenhuma circunstância a primeira volta do que quer que seja, porque têm um significado próprio e valem por si”, respondeu Assis aos jornalistas, após ser interrogado se uma derrota de Manuel Alegre nas eleições para Presidente da República pode ter consequências no PS.

No entanto, o líder da bancada socialista advertiu que, em caso de derrota de Manuel Alegre nas eleições presidenciais, “todos os socialistas se sentirão também derrotados”.

Francisco Assis fez também questão de separar as eleições presidenciais de outros planos políticos, numa alusão ao facto de o Bloco de Esquerda também apoiar a candidatura presidencial de Manuel Alegre. “Não confundimos os planos. Uma coisa é o plano das presidenciais e outra coisa é o plano parlamentar”, afirmou, dizendo que o objectivo da candidatura de Manuel Alegre, para ser vitoriosa, será o de unir os portugueses “desde o centro esquerda até à esquerda mais profunda”. Neste contexto, Assis desvalorizou a possibilidade de o PCP avançar com um candidato próprio nas eleições presidenciais, alegando que, numa segunda volta, esses votos irão para Alegre.

No plano interno, o presidente do Grupo Parlamentar do PS manifestou a sua convicção de que, após a decisão tomada pela Comissão Nacional do PS, haverá unidade dentro do seu partido “unidade” em torno da candidatura de Alegre. E deixou um aviso aos dirigentes socialistas anti-Manuel Alegre: “esta decisão [da Comissão Nacional do PS] compromete todos os militantes”.

No entanto, questionado se um militante do PS que apoie outro candidato presidencial poderá incorrer em sanções disciplinares, Assis afastou esse cenário, alegando que “o PS é um partido tolerante”. Nas respostas às questões dos jornalistas, o líder da bancada socialista admitiu ainda que poderá haver “uma Convenção Nacional do PS para formalizar o apoio de Alegre".

Salários de gabinetes custam 10,6 milhões


Ministros das Obras Públicas e da Educação têm os aumentos orçamentais mais elevados.
Por:António Sérgio Azenha

A despesa orçamentada para 2010 para os salários-base do pessoal dos gabinetes do primeiro-ministro e dos 16 ministros ultrapassa os 10,6 milhões de euros. Ao todo, nove ministros reduziram as verbas para os ordenados dos colaboradores, mas oito aumentaram-nas, com destaque para as Obras Públicas e a Educação: no primeiro caso, o montante disparou 37,5%, para quase 491 mil euros, e no segundo subiu 26%, para quase 640 mil euros.

A análise aos orçamentos dos gabinetes ministeriais para 2010, incluídos no Orçamento do Estado, permite identificar a distribuição das verbas para as despesas com remunerações certas e permanentes dos colaboradores.

E se os gabinetes dos titulares das Obras Públicas e da Educação têm um aumento elevado no orçamento para ordenados, nas Finanças e nos Assuntos Parlamentares as subidas são também apreciáveis: 18,7% e 17,9%. Os restantes nove gabinetes contaram com cortes orçamentais entre 1,3% na Saúde e 17,2% na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

José Sócrates, enquanto primeiro-ministro, e Rui Pereira, ministro da Administração Interna, destacam-se da restante equipa governamental: mesmo com cortes orçamentais de quase 11%, o chefe do Governo dispõe de 1,7 milhões de euros e o responsável político das polícias conta com 834 mil euros, apesar de ter havido uma redução orçamental de quase 15%.

Ao gabinete da ministra da Cultura foi aplicada uma redução de 14% nas verbas para salários-base. Mesmo assim, Gabriela Canavilhas dispõe de quase 603 mil euros, verba que é a quinta mais elevada dos 16 ministérios.

Em 2007, o Tribunal de Contas, após ter feito uma auditoria aos gabinetes governamentais entre 2003 e 2005, recomendou que se disciplinasse, por via legislativa, o recrutamento e as remunerações do pessoal afecto aos gabinetes.

VERBAS

António Mendonça (ministro das obras Públicas)

490 919€ (+ 37,5%)

Isabel Alçada (ministra da Educação)

639 530 € (+ 26,3%)

Gabriela Canavilhas (ministra da Cultura)

602 647€ (- 14%)

PORMENORES

MEMBROS DAS EQUIPAS

Os gabinetes ministeriais são constituídos por quadros da Função Pública e por pessoal em regime de avença ou em qualquer outra situação proveniente do sector privado.

GASTOS CAEM EM 2010

Em 2010, a verba orçamentada ascende a 10,6 milhões de euros, uma quebra de 3,6% face a 2009.

FRASE DO SÉCULO


FRASE DO SÉCULO

Luís Campos e Cunha, ex-Ministro das Finanças (foto em anexo) acaba de entrar na imortalidade com a afirmação:



“Não sei para que é que querem gastar dinheiro no TGV se podem perfeitamente oferecer um Porsche a cada português gastando menos”.

Eu fico "PASMADO"


Eu fico "PASMADO"

Pois é... aqui está a prova de um tipo de governação monárquica em plena república.


Apetece-me dizer uns palavrões..., posso?


Veja a lista VIP, o verdadeiro motor do enriquecimento da Madeira, e tire as suas conclusões...


Alberto João Jardim - Presidente do Governo Regional
Filha - Andreia Jardim - Chefe de gabinete do vice-presidente do Governo Regional
João Cunha e Silva - vice-presidente do governo Regional
Mulher - Filipa Cunha e Silva - é assessora na Secretaria Regional do Plano e Finanças
Maurício Pereira (filho de Carlos Pereira, presidente do Marítimo) assessor da assessora
Nuno Teixeira (filho de Gilberto Teixeira, ex. conselheiro da Secretaria Regional) é assessor do assessor da assessora
Brazão de Castro - Secretário regional dos Recursos Humanos
Filha 1 - Patrícia - Serviços de Segurança Social
Filha 2 - Raquel - Serviços de Turismo
Conceição Estudante - Secretária regional do Turismo e Transportes
Marido - Carlos Estudante - Presidente do Instituto de Gestão de Fundos Comunitários
Filha - Sara Relvas - Directora Regional da Formação Profissional
Francisco Fernandes - Secretário regional da Educação
Irmão - Sidónio Fernandes - Presidente do Conselho de administração do Instituto do Emprego
Mulher - Directora do pavilhão de Basket do qual o marido é dirigente
Jaime Ramos - Líder parlamentar do PSD/Madeira
Filho - Jaime Filipe Ramos - vice-presidente do pai
Vergílio Pereira - Ex. Presidente da C.M.Funchal
Filho - Bruno Pereira - vice-presidente da C.M.Funchal, depois de ter sido director-geral do Governo Regional.
Nora - Cláudia Pereira - Trabalha na ANAM empresa que gere os aeroportos da Madeira
Carlos Catanho José - Presidente do Instituto do Desporto da Região Autónoma da Madeira
Irmão - Leonardo Catanho - Director Regional de Informática (não sabia que havia este cargo)
Rui Adriano - Presidente do Conselho de administração da Sociedade de Desenvolvimento do Norte e antigo membro do Governo Regional
Filho - ???? - Director do Parque Temático da Madeira
João Dantas - Presidente da Assembleia Municipal do Funchal, administrador da Electricidade da Madeira e ex. presidente da C.M.Funchal
Filha - Patrícia - presidente do Centro de Empresas e Inovação da Madeira.
Genro (marido da Patrícia) - Raul Caíres - presidente da Madeira Tecnopólio (sabem o que isto é?)
Irmão - Luís Dantas - chefe de Gabinete de Alberto João Jardim
Filha de Luís Dantas - Cristina Dantas - Directora dos serviços Jurídicos da Electricidade da Madeira (em que o tio João Dantas é administrador)
João Freitas, marido de Cristina Dantas director da Loja do Cidadão
E a lista continua.......
Comparados com os resultados em todas as regiões, a Madeira é uma autêntica lição para os pacóvios da nossa Assembleia da República, do Governo Central e do Poder Autárquico.
É neste exemplo que devemos pensar quando o Sr. Presidente da República nos indica o caminho do rigor e sentido de Estado ?

Viva a Madeira ! Viva o seu Presidente!

Apetece-me dizer uns palavrões..., posso?




AQUI DEIXO ALGUNS EXEMPLOS DE DÚVIDAS QUE O TRIBUNAL DE CONTAS ENCONTROU NAS DESPESAS PÚBLICAS…
POR FAVOR, NÃO DEIXEM DE LER!!!

1. ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ALENTEJO, I. P.
- Aquisição de 1 armário persiana; 2 mesas de computador; 3 cadeiras c/rodízios, braços e costas altas: 97.560,00€
Eu não sei a quanto está o metro cúbico de material de escritório mas ou estes armários/mesas/cadeiras são de ouro sólido ou então não estou a ver onde é que 6 peças de mobiliário de escritório custam quase 100 000€.
Alguém me elucida sobre esta questão?

2. MATOSINHOS HABIT – MH
– Reparação de porta de entrada do edifício: 142.320,00 €
Alguém sabe de que é feita esta porta que custa mais do que uma casa?

3. UNIVERSIDADE DO ALGARVE – ESC. SUP. TECNOLOGIA – PROJECTO TEMPUS
– Viagem aérea Faro/Zagreb e regresso a Faro, para 1 pessoa no período de 3 a 6 de Dezembro de 2008: 33.745,00 €
Segundo o site da TAP a viagem mais cara que se encontra entre Faro-Zagreb-Faro em classe executiva é de cerca de 1700€. Dá uma pequena diferença de 32 000 €. Como é que é possível???

4. MUNICÍPIO DE LAGOA
– 6 Kit de mala Piaggio Fly para as motorizadas do sector de águas: 106.596,00 €
Pelo vistos fazer um “Pimp My Ride” nas motorizadas do Município de Lagoa fica carote!!!

5. MUNICÍPIO DE ÍLHAVO
– Fornecimento de 3 Computadores, 1 impressora de talões, 9 fones, 2 leitores ópticos: 380.666,00 €
Estes computadores devem ser mesmo especiais para terem custado cerca de 100 000€ cada….Já para não falar nos restantes acessórios.

6. MUNICÍPIO DE LAGOA
– Aquisição de fardamento para a fiscalização municipal: 391.970,00€
Eu não sei o que a Polícia Municipal de Lagoa veste, mas pelos vistos deve ser Haute-Couture.

7. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES
– VINHO TINTO E BRANCO: 652.300,00 €
Alguém me explica porque é que a Câmara Municipal de Loures precisa de mais de meio milhão de Euros em Vinho Tinto e Branco????

8. MUNICIPIO DE VALE DE CAMBRA
– AQUISIÇÃO DE VIATURA LIGEIRO DE MERCADORIAS: 1.236.000,00 €
Neste contrato ficamos a saber que uma viatura ligeira de mercadorias da Renault custa cerca de 1 milhão de Euros. Impressionante…

9. CÂMARA MUNICIPAL DE SINES
– Aluguer de tenda para inauguração do Museu do Castelo de Sines: 1.236.500,00 €
É interessante perceber que uma tenda custa mais ou menos o mesmo que um ligeiro de mercadorias da Renault e muito mais que uma boa casa... E eu que estava a ser tão injusto com o município de Vale de Cambra…

10. MUNICIPIO DE VALE DE CAMBRA
– AQUISIÇÃO DE VIATURA DE 16 LUGARES PARA TRANSPORTE DE CRIANÇAS: 2.922.000,00 €
E mais uma pérola do Município de Vale de Cambra: uma viatura de 16 lugares para transportar crianças custa cerca de 3 milhões de Euros. Upsss, outra vez o município de Vale de Cambra…

11. MUNICÍPIO DE BEJA
– Fornecimento de 1 fotocopiadora, “Multifuncional do tipo IRC3080I”, para a Divisão de Obras Municipais: 6.572.983,00 €
Este contrato público é um dos mais vergonhosos que se encontra neste site. Uma fotocopiadora que custa normalmente 7,698.42€ foi comprada por mais de 6,5 milhões de Euros. E ninguém vai preso por porcarias como esta?

COMO É POSSÍVEL NÃO ESTARMOS EM CRISE?
COMO DIZ SÓCRATES, É DIFÍCIL CORTAR NAS DESPESAS PÚBLICAS…
NOTA-SE…
ACABÁMOS DE VER ALGUNS EXEMPLOS…

Vasco Franco com reforma dourada

Vasco Franco com reforma dourada


Faz saber que é deficiente das Forças Armadas. Consta que já obteve um diploma de licenciatura e é provável que, com o seu bom relacionamento com o poder, já tenha o mestrado ou mesmo o doutoramento!!!

[desenvolvimento aqui] pode tentar saber mais neste e-mail: Vasco Franco

+++ UMA


Uma reforma Dourada

António Dourado de Sousa Ferreira e Aires Henrique do Couto Pereira foram condenados por crime de abuso de poder pelo Tribunal da Póvoa de Varzim, sendo-lhes aplicada uma multa de 4650 euros e 4050 respectivamente
Os factos remontam a Novembro de 1999, quando António Dourado que ocupava o cargo de director do Departamento de Administração e Finanças da autarquia deu cinco faltas injustificadas. Foi-lhe instaurado um processo disciplinar ("muito célere", nas palavras do juiz José Ramos Duarte, do Tribunal da Póvoa de Varzim), que foi instruído por Aires Pereira. O processo culminou com a aprovação, numa reunião de Câmara presidida por Aires Pereira, da pena de reforma compulsiva.


No dia 5 de Janeiro de 2000, já havia um relatório final, 15 dias depois era-lhe aplicada a pena de aposentação compulsiva e António Dourado passou a receber, algum tempo depois, a reforma de 627 contos (mais de 3100 euros).

Entretanto, no dia 30 de Janeiro de 2000, aceitou o convite do presidente da Câmara da Póvoa, Macedo Vieira, e foi nomeado presidente do Conselho de Administração da recente criada empresa municipal "Varzim Lazer".

O Tribunal deu como provado que António Dourado planeou a sua reforma, uma vez que não justificou as faltas, não reagiu ao inquérito disciplinar, nem interpôs recurso.
"Isto feito por um funcionário que todos consideraram um exemplo de competência e que, em 20 anos ao serviço da Câmara nunca havia dado uma falta. E Aires Pereira recomendou a segunda pena mais elevada da Administração Pública e Local, estando consciente de que se tratava de um expediente de António Dourado", lê-se na sentença.

António Dourado era conhecedor destes procedimentos, pois tinha sido ele a instruir outros processos semelhantes. Aires Pereira, por seu turno, propôs a pena, sabendo que não era proporcional nem adequada. Por isso, tinha de ter consciência do expediente", referiu o juiz.

António Dourado abandonou o Conselho de Administração da empresa municipal "Varzim Lazer".

Macedo Vieira mantêm-se na vice-presidência da Câmara da Póvoa de Varzim.

Com as multas aplicadas, o crime compensa.

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola